Vocês se deram conta que 2014 acabou? Bom, eu não. Pra mim tudo passou muito rápido e quando percebi estava montando minha árvore de natal e vendo todo mundo ouvir o cd da Simone.

Enfim, como é tradição aqui no blog, todo ano venho postar os 10 álbuns que mais ouvi, gostei, recomendei, cansei e enjoei ao longo desses doze meses. Vamos começar?

10º Xscape
Michael Jackson

Nunca fui muito a favor de discos póstumos e quando fiquei sabendo que a Sony iria lançar mais um do meu ídolo Michael Jackson achei que a casa ia cair. Primeiro que MJ era super perfeccionista e se não lançou essas músicas, era porque achava que não estavam a sua altura. Mas até que a gravadora teve uma sacada interessante: chamou alguns produtores (djs/mixers) e os deram as demos para que eles as deixassem contemporâneas e dessem uma roupagem nova ao som único do Rei do Pop. Me surpreendi com a qualidade das novas “produções”, mas esse álbum me ganhou mesmo por conter as músicas originais e com aquele jeitinho de Jackson. E um single com a participação de Justin Timberlake dominou o ano, tocando em tudo quanto é canto.
Eu amo: Xscape, Love Never Felt So Good e Do You Know Where Your Children Are
Música delicinha: Loving You

9º Broke With Expensive Taste
Azealia Banks

Se Azealia Banks pudesse ter um outro nome, com certeza seria Guerreira. Passando por tantos perrengues, músicas vazadas, mixtapes lançadas, singles flopados, o descaso da gravadora, brigas, barracos e mais brigas… o seu tão sonhado álbum saiu nesse ano. E posso dizer? A espera valeu a pena. Zezé pegou o suprasumo de suas 10245801 demos e transformou em um dos melhores álbuns de 2014. Digamos que andou jogando poeira no olho de muita veterana aí ein.
Eu amo: Chasing Time, 212 e Luxury
Música delicinha: Ice Princess

8º Louder
Lea Michele

Rachel Berry foi considerada a personagem favorita da série Glee, e isso foi o suficiente para que Lea Michele lançasse um álbum para seus fãs cantando músicas próprias. Estorou e agradou a todos. Seu álbum é pop e romântico, leve e cheio de amor e baladas envolventes. Impossível não amar logo na primeira audição. Eu fiquei preso por dias com You’re Mine em minha cabeça. Você pode ler o review completo aqui.
Eu amo: Cannonball, On My Way, Don’t Let Go e Louder
Música delicinha: You’re Mine

7º Born Naked
RuPaul

Quando alguém fala RuPaul todo mundo se lembra da “corrida” mais louca da televisão. Sim, estou falando do reality show “RuPaul’s Drag Race” que a cada dia conquista mais e mais fãs das dragqueens mais talentosas e divertidas da América. Há três anos conheci a série e me apaixonei, mas de tudo o que mais me chamou a atenção foi a trilha sonora, na qual RuPaul mesmo cantava as músicas. Baixei todos os álbuns e em 2014 a nossa Mama Ru lançou o novo trabalho que serviu de trilha sonora para a temporada que também foi exibida nesse ano. Com participações especiais e uma produção a la Britney Spears, RuPaul fez um álbum que conquistou muitos por aí.
Eu amo: Sissy That Walk, Fly Tonight, Born Naked e Feel Like Dancing
Música delicinha: Can I Get An Amen

6º 1000 Forms Of Fear
Sia

Depois de Happy, Chandelier foi a música que você mais deve ter ouvido nesse ano né? Bom, eu ouvi muito e por livre e espontânea vontade. Sia não se tornou a querida dos produtores a toa. Com uma mente incrível e com sua habilidade em fazer hits, a mulher simplesmente dominou o ano: seja com composições em sua voz ou “emprestando” para outros artistas. O álbum que tem um conceito complexo, mora desde o dia que foi lançado em meu coração e aqui irá continuar, pois esse cd fala por si. Uma obra de arte. Você pode ler o review completo aqui.
Eu amo: Big Girls Cry, Chandelier e Free The Animal
Música delicinha: Eye Of The Needle

5º The New Classic
Iggy Azalea

Sabe aquela artista que bombou na hora certa? Então, essa foi a chance que Iggy Azalea teve e fez bonito! Botou seu single “Fancy” no topo das paradas e se garantiu. Como uma das músicas mais tocadas, o seu álbum foi um dos mais esperados e não ficou devendo. Com seu rap com uma pegada eletrônica, Iggy se tornou um dos icones do ano e exalou sensualidade por onde passou. Eu mesmo me rendi a loira e não consigo mais soltar.
Eu amo: Black Widow, Fancy, Bounce e Work
Música delicinha: Don’t Need Y’all

4º Trouble in Paradise
La Roux

Quando postei o review sobre o álbum do La Roux, eu já estava viciado nele há algum tempo, até porque demorei um pouco para postar, pois estava tentando ser o mais específico possível para descrever o novo trabalho. Creio que ainda me falta palavras para isso, mas só digo uma coisa: o ouçam sempre e nos encontramos no show deles ano que vem!
Eu amo: Kiss and Not Tell, Cruel Sexuality, Sexoteque, Paradise is You, Tropical Chancer e Uptight Downtown
Música delicinha: Let Me Down Gently

3º 1989
Taylor Swift

Chegando perto do fim do ano, Taylor Swift enfim deu as caras e nos deu de presente o álbum 1989. Para ela, o seu renascimento na carreira e sua nova aposta 100% pop. Chamou produtores especialistas no gênero e arrasou nas letras (até porque ela tem muito material inspirador, rs) e nos colocou pra dançar, para cantar, para se declarar, para curar dor de amor e até atacar as inimigas com algumas indiretas. Taylor veio com um cabelinho curto lindo e muita juventude a mostra. Eu até diria que esse álbum é o melhor do ano, porém não o considerei em primeiro lugar porque saiu muito tarde e teve outro que ouvi e me identifiquei mais.
Eu amo: Style, Blank Space, Shake It Off, Bad Blood, Out Of The Woods, Welcome To New York…
Música delicinha: I Know Places

2º Glorious
Foxes

Muita gente pode não conhecer a Foxes, mas com certeza já ouviu muito sua participação na música Clarity do Dj Zedd. Mas eu a conheci por acaso, procurando músicas no Last.Fm ouvindo seu maior hit, “Youth” e daí fui ver e ela não tinha álbum. Não passou muito tempo e ela logo lançou o seu “Glorious” que é uma glória mesmo. Um pop calmo e intenso e com muito electro seguindo a linha da música. Sem contar as letras fortes e otimistas, todas de sua autoria. Me apaixonei e ouvi o ano todinho. Vale a pena!
Eu amo: Night Owls Early Birds, Youth, Let Go for Tonight e Holding Onto Heaven
Música delicinha: Shaking Heads

1º Sheezus
Lily Allen

Lily Allen dispensa apresentações né? Essa britânica da língua solta andou cantando muito por aqui, e não foi pouco também. Ouvia enquanto trabalhava, ouvia enquanto me exercitava, ouvia quando estava dirigindo, ouvia enquanto tomava banho… Enfim, ouvi muito. O álbum é eclético, tem músicas para dançar, para se apaixonar e algumas para soltar os cachorros. Lily sempre polêmica envolve todo tipo de assunto em Sheezus e as vezes faz até paródia de si mesma. Um trabalho impecável depois de anos de férias, Allen fez um álbum que conseguiu manter seu legado. Esse sim, o melhor do ano… na minha opinião. Leia o review aqui.
Eu amo: Hard Out Here, Air Balloon, Silver Spoon, URL Badman e Sheezus
Música delicinha: Take My Place


DESTAQUE: TILL DEATH DO US PARTY
Adore Delano

“PARTY!” é a frase que resumo Adore Delano, uma das competidoras da sexta temporada de RuPaul’s Drag Race e que com seu carisma, singularidade, garra e talento passou por cima das outras “queens” e se tornou a favorita de todas as temporadas. É mole? Sem contar que por pouco não ganhou a competição, pois ficou entre as três finalistas. Aproveitando todo o buzz em cima de seu nome, Adore que antes já no passado já tinha competido no American Idol, foi esperta e gravou um álbum pop e cheio de letras engraçadas e sensuais. E digamos que até ultrapassou o de RuPaul nas vendas, sendo uma das únicas dragqueens a estreiar em rankings de níveis internacionais. Everybody loves Adore. We Adore her. <3
Eu amo: Calling All Goddess, DTF, Party, The Creeps…
Música delicinha: Adore You

E bom, não podia deixar de mencionar a estréia de Ariana Grande que fez o single “Problem” junto com Iggy Azalea ser o hit do ano. O comeback ignorado de Kylie Minogue que trouxe um álbum produzido pelos melhores, mas não segurou tanto nossa atenção. Shakira e seu ótimo álbum autointitulado com músicas excelentes, mas não vi novidade alguma, mas confesso que ouvi umas duas semanas seguidas. Kelis também voltou muito conceitual e lançou um álbum que não conseguiu superar nada que fez em seu elétrico Flesh Tone, mas fiquei viciado em “Jerk Ribs” e a doce “Breakfast”. E pra finalizar, Nicki Minaj e Charli XCX chegaram com seus álbuns e pelo que ouvi, não consegui ver nenhuma música que se pareça com as esmagadoras “Boom Clap” e “Anaconda”, respectivamente.

2014 rendeu né?
E para você?? Qual são os melhores álbuns deste ano??






A KLM Royal Dutch Airlines realizou uma missão única de ajudar qualquer viajante em caso de necessidade, e não apenas os viajantes que voam com a empresa KLM.

A partir de um stand especial montado em Schiphol Plaza no Aeroporto de Amsterdã, a equipe do #happytohelp ajudou viajantes nos aeroportos, e tudo isso foi documentado e transmitido nas redes sociais durante cinco dias. As viagens internacionais podem ser um incômodo, mas os passageiros de todo o mundo tiveram o prazer de experimentar o impacto sendo minimizado pela jornada da equipe do #happytohelp da KLM.

O centro de ajuda inovadora da KLM ficou aberto 24 horas por dia e demonstrou a todos os extremos que a companhia aérea vai para ajudar todos os viajantes. E foi através das redes sociais que a equipe do KLM foi fornecendo dicas de viagem para quem se dirigia ao exterior. Os turistas foram presenteados com dicas de vídeo personalizados que eram diretamente relacionados ao seu destino.

Durante a semana, os passageiros foram ajudados com passaportes perdidos ou esquecidos e também presenteados com camas durante longas noites de espera nos aeroportos. Toda essa atividade foi documentada e enviada para as mídias sociais da KLM e canais do YouTube para que todos pudessem ver.

Assista uma das incríveis e comoventes histórias #happytohelp aqui – KLM. #happytohelp:


(para quem não sabe inglês, é só ativar a legenda no vídeo)





Britney Spears

Hoje é aniversário da nossa musa Britney Spears, e para não deixar de lembrar essa data tão importante para nós, fãs do pop, vamos eleger as 33 músicas mais amadas por nós. Veja a lista que preparamos e diga qual música da princesa do pop você mais gosta!

33. Perfume
32. I’m Not a Girl, Not Yet a Woman
31. Til It’s Gone
30. My Prerogative
29. Inside Out
28. Passenger
27. Born to Make You Happy
26. Sometimes
25. (You Drive Me) Crazy
24. Body Ache
23. 3
22. Alien
21. If U Seek Amy
20. Break the Ice
19. Radar
18. Lucky
17. Criminal
16. Stronger
15. Breathe On Me
14. Everytime
13. Hold It Against Me
12. Circus
11. Overprotected

10. I Wanna Go


Como não amar esse banho de recalque que a Britney dá em I Wanna Go? A mulher sai desprezando a imprensa, sendo uma garota má e pervertida na rua e no final.. bom.. deixa pra lá.

9. Womanizer


Cansada dos mulherengos de plantão, Britney sensualiza de todas as maneiras que pode. E claro, no refrão ela ainda diz que “Ama a Naza” (Nazaré Tedesco). Bom, a gente também! <3

8. Piece of Me


Segundo clipe da era Blackout veio com uma pergunta: Você quer um pedaço de mim? Claro que queremos Brit. Todos querem!!!

7. I’m a Slave 4 U


Sexy, provocativo e muito caloroso. I’m A Slave 4 u define a etapa em que Britney deixa de ser uma menina boba e inocente. Com uma fotografia linda e coreografia épica, nunca enjoo desse clipe.

6. …Baby One More Time


O ínicio de tudo. O ínicio de uma nova vida! O hino que nunca saiu de moda e que vem inspirando muitas gerações.

5. Oops!…I Did It Again


Oops! consolidou o sucesso de Britney e a deixou num status que nenhum outro artista havia estado. O clipe em um planeta todinho dela nos faz querer sempre ser “aquela inocente”.

4. Till the World Ends


Iremos dançar Britney Spers até o mundo acabar.

3. Work B**ch


Você quer um corpo sarado? Morar numa mansão? Andar de carrão? Vai trabalhar, v*dia!

2. Gimme More


E ainda precisa dizer mais alguma coisa?

1. Toxic


Eleita a preferida da maioria dos fãs, Toxic veio como um poder todo sensual. Do clipe a música, Britney está impecável e nos tirando o fôlego.

Parabéns Britney!!

Esperamos que tenha uma vida longa para que as inimigas vejam o quanto você é incrível! Te amamos e por favor, não suma de nós. Um beijo!





Madonna

Quando o assunto é Madonna, todo mundo já imagina uma cantora pop polêmica e com músicas mais polêmicas ainda. Ao passar dos anos, essa mulher é cada vez mais subestimada e colocada a prova. O que vem a seguir? Essa é a pergunta que habita na cabeça de cada fã de música pop quando a veterana encerra um ciclo, ou traduzindo na nossa linguagem, uma “era”.

Devo admitir que meu interesse por ela só começou quando completei 15 anos e ela lançou naquele mesmo ano, o hit Hung Up, que veio como um divisor de águas em sua carreira, que estava morna e sendo questionada com tantos ataques da mídia. Quando ouvi aquela música pela primeira vez, era como se eu estivesse hipnotizado… “Times Goes By So Slowly…” se repetia na minha cabeça e toda vez que tocava a música no rádio eu corria para ouvi-la mais uma vez. Com muito custo, encontrei o álbum algumas semanas depois e ali havia começado minha saga com Madonna. A torneira havia sido aberta e toda aquela euforia já estava nas minhas veias… estava viciado e queria mais dela. E aqui estou, para deixar algumas palavras do que senti ao ouvir seu novo single, Rebel Heart.

Liberdade é a palavra que expressa tudo que senti na música. Madonna é ousada e repetição é uma palavra que não existe no dicionário dela, pois está sempre buscando o desconhecido e transformando em novo, saindo na frente e sendo a visionária que é. Aplicando tudo com seu toque de midas, faz música ser muito mais que um som para nos distrair: faz arte! Estou acostumado com uma Madonna que traz músicas com apelo sexual e comercial, com batidas eletrizantes e que vão fazer todos dançarem onde estiverem. Mas dessa vez não aconteceu assim. Ela me decepcionou.

Não que a qualidade foi comprometida, aliás, está impecável. Criei a expectativa de sempre, mas ela nos surpreendeu sendo está íntima consigo mesma e fazendo uma declaração sobre o que todos esperam dela e o que querem que ela seja. Cansada de tudo, ela se mostra vulnerável em Rebel Heart. Com uma batida midtempo e acompanhada de um violão (que com certeza foi tocado pela própria), Madonna chamou o top produtor Avicii para tal tarefa de transformar sua música em um hit, como ele faz com suas músicas. Na composição, contou com o apoio de Natalia Kills, que deixou a música com seu tom intenso e obscuro. De longe essa música é uma produção cinco estrelas, mas não tem cara que vai ser a música que irá dominar o topo dos charts e ser a mais amada pelo público em geral, mas garanto que será de grande valor para todos aqueles que amam a Rainha do Pop.

Rebel Heart não grita novidade. O arranjo lembra as produções anteriores de Avicii com uma pegada country e com um refrão entoado por violinos e a batida eletropop gritante. Mas essa é a característica que citei acima: Madonna se renova a cada era, e não irá dar um tiro no pé. Com certeza essa faixa é apenas o prato de entrada. O álbum, sucessor do MDNA, está previsto para o início de 2015 e conta com o produtor Diplo (que tem em suas referências o “funk” brasileiro) e o duo Disclosure confirmados é bem provável que venha músicas prontas para dançar, como sempre. Ou as vezes não, pois Madonna tem um coração rebelde e irá fazer o que ela quiser. Então não é bom esperar o que vem, apenas deixar rolar. Já pode dizer que, com Rebel Heart está oficialmente iniciada a nova “era”.

Ouça a faixa abaixo. Não foi confirmado ainda se essa é a versão final, mas você pode tirar suas conclusões assim como tirei a minha.

___
* O título da postagem se refere a uma brincadeira com a música “Eu sou a diva que você quer copiar” de Valesca Popozuda.





Para quem não sabe, Tokio Hotel é uma banda com origem alemã e que ficou muito famosa em meados de 2007 com seu rock alternativo e que chamava a atenção pela imagem andrógina de seu vocalista, Bill Kaulitz. Em 2009, a banda foi afinando seu estilo, e lançando posteriormente o álbum “Humanoid” com referências eletrônicas e com um som pouco diferente do antecessor, mas contudo foi um grande sucesso.

Depois de cinco anos sem lançar um álbum de estudio, o Tokio Hotel volta com tudo em um álbum que grita novidade. A real prova é o single “Love Who Love You Back” que apesar de ter sido lançado em setembro, só fui ouvir agora e claro, estou vi-ci-a-do! Primeiramente porque a pegada da música é toda retro com elementos oitentistas e ao mesmo tempo futurísticas. Com a produção assinada pelo time Rock Mafia, “Love” é uma faixa em que diz de fato, para amar quem te ama.

Adorei a pegada da música e o clipe é um tanto quanto sexy. Vejam!

Related Posts with Thumbnails










FrutoProibido.Org é uma criação de Pedruh Henrique. CC | Spam Poison
Caso haja algo que você não concorde, pertence a você ou quer dar uma sugestão, entre em contato.