Arquivos mensais: outubro 2011

Plantão Cher Lloyd

Por em |

Cher Lloyd não ganhou o X Factor, mas seu carisma e talento conquistou várias pessoas. Eu adoro o estilo dessa garota e a cada dia que passa, fico mais impressionado com o que ela tem para nos mostrar. Quando saiu Swagger Jagger, apostei todas as minhas fichas no single e não me arrependi.

Só que Cher não deu muita sorte, e metade de seu material já está zanzando pela rede. Por enquanto, o resultado está ótimo e não foge do esperado. Para nossa alegria, hoje “ela” mesmo publicou a capa e o tracklist de seu primeiro álbum, que se chamará Sticks & Stones, que significa “paus e pedras”.


1. Grow Up (feat. Busta Rhymes)
2. Want U Back
3. With Ur Love (feat. Mike Posner)
4. Swagger Jagger
5. Beautiful People (feat. Carolina Liar)
6. Playa Boi (vazou, mas não achei link)
7. Superhero
8. Over The Moon
9. Dub On The Track (feat. Mic Righteous, Dot Rotten + Ghetts)
10. End Up Here

O álbum está recheado de participações, e apesar de curto, as músicas parecem que vão ser interessantes. Vou torcer para as que tenham vazado, sejam demos e que as músicas que vão no álbum, ganhem uma nova mixagem ou algo que desperte uma novidade. O lançamento está previsto para o dia 07 de novembro, mas já imaginamos que o vazamento vai acabar acontecendo.

Enquanto isso não acontece, vamos curtindo o seu mais recente single na verdade nem é tão novo assim) que tem a participação do Mike Posner. O clipe é fofo e mostra uma Cher toda menininha apaixonada sonhando que o mundo está todo apaixonado também.
Já pode ficar cantarolando por aí?? Eu já viciei! rs

Gimme more for Joe Jonas

Por em |

Os britfãs tem um motivo a mais para adorar Joe Jonas. Seu primeiro álbum solo, Fastlife, é a versão masculina do Blackout, álbum mais expressivo de miss Spears.

A peça que liga esses dois álbuns é o produtor Danja, que tem uma pegada electro e r&b em suas produções. Impossível não se render ao hit esmagador Gimme More, que deixou Britney nas paradas e gerando muita polêmica. Claude Kelly que é responsável pelos hits de Rihanna e Beyoncé, também deu seu toque de midas e nem preciso dizer que o resultado foi sensacional né?

Ainda é muito cedo para definir a Gimme More de Joe, mas já podemos favoritar as melhores que são (até agora) All This Time, Just In Love, Love Slayer, Make You Mine, Kleptomaniac… enfim, o álbum todo!!!

Fastlife está numa sintonia incrível e só podemos concluir que aquela imagem DISNEY de Joe não existe mais. Assim como Demi Lovato, é um novo tempo, uma nova tendência. Cada um em seu caminho e defendendo seus ideais.

Não é por nada não, mas Joe Jonas não está sendo comparado a Justin Timberlake a toa.. Aonde há fumaça… há fogo!

Ouçam o álbum e tirem suas conclusões. Se eu fosse você não perdia tempo, até porque eu também fiquei com um preconceito e me surpreendi!

Fica dica do Vitor Martins

Sou eu, Willow de fogo

Por em |

Fiquei muito preocupado quando nossa mini-diva do momento, Willow Smith, sumiu and evaporou do mundo sem dar notícias. Eu postei aqui, mas ninguem soube responder sobre tal paradeiro…. até que nessa semana, ela voltou com um single novo e trazendo Nicki Minaj na garupa de sua motoca.

Achei batidão. Achei divertida. Achei repetitiva. Achei chiclete. Achei Sleazy da Ke$ha.
Achei Nique Minage. Achei Willow. Achei demais!

Até onde se sabe, o novo single foi produzido pelo Stoopid Boots e pela própria Willow, que está co-escrevendo todas as músicas de seu novo álbum, que segundo rumores se chamará Stuck Me On. E para nossa alegria, o álbum será lançado ainda esse ano e continuará sendo produzido pelo hitmaker Jukebox.

O rap de Minaj é super interessante, e contem menções á China e ao jogo de luta que mais amavamos quando eramos criança: Street Fighter

I’m the Street Fighter, call me Chun-Li
And it’s going down like a bum knee
Built the guest house to put the coupe in cause I’m a fireball, Hadouken!

E aí? O que achou??? Será que esse fogo todo vai render alguma coisa??
Eu não sei, mas estou tomando meus bons drink pra refrescar, depois desse calor todo.

“Agora vire á direita…”

Por em |

Meu dilema ultimamente se chama CARTEIRA DE HABILITAÇÃO D:

Gente, eu fico pensando que se algum dia irei tirar minha habilitação, porque olha… tá dificil!
Bom, na verdade nem é dificil, mas é que quando você não tem tanta necessidade ou não tem um carro nas mãos, não há tanta vontade de tirar. Eu sei que sou relaxado também, mas eu me esforço tanto que extresso fácil e acabo não prestando atenção em detalhes que não podem passar em branco.

Ok, eu sou louco as vezes, mas eu quero fazer do jeito mais correto possível, até porque não posso ser reprovado por motivos $$ de tempo $$.

Agora fui lá marcar meu exame e já estou vendo que não vai dar muito certo. Porque?

1) Eu sou muito ansioso, tanto que nem pra nascer esperei a data prevista e nasci um mês antes.

2) No teste teórico comecei fazendo a prova normalmente, mas bastou algumas pessoas sairem da sala e olhar no relógio pra tudo desandar. Fiquei nervoso e mal respondi as outras perguntas com atenção. Eu consegui passar, mas foi um perrengue.

3) Se nas aulas eu mal consigo me manter tranquilo, quem dirá quando uma pessoa estiver me avaliando????? Vejo que na hora não vou ter pernas, ou vou fazer algo errado de primeira. Isso se o carro não morrer antes. D:

HAHAHAHA E não adianta tomar suco de maracujá, calmante ou fazer simpatia: minha ansiedade sempre estraga tudo.

Bom, só queria desabafar com vocês esse meu dileminha. Espero que dê tudo certo, pq se não der…. irei tentar outra vez! Até porque sou brasileiro, e brasileiro não desiste nunca etc.

Nicola Roberts, are you happy?

Por em |

Nicola, Cinderela


Cinderella's Eyes
Nota: 5,0

    Artista: Nicola Roberts

    Álbum: Cinderella’s Eyes

    Gênero: Pop

Quis começar esse review do mesmo jeito que Nicola começou sua carreira solo: contando um conto! E se formos analisar, a “confecção” do álbum soa como um conto dos irmãos Grimm em que o começo é sofrido mas ao decorrer da estória, tudo toma seu devido lugar. Sim, a história solo de Nicola Roberts não iniciou muito feliz; já que quando ela assinou contrato com a gravadora, todos os fãs do Girls Aloud duvidaram de sua capacidade. Tanto que conforme iam saindo notícias, menos interesse havia.

Apesar de conhecer o grupo há pouco tempo, jamais pensei que a Nicola iria fazer um trabalho tão diferente e com uma qualidade superior de qualquer outra integrante. Desde então imaginei que o álbum iria vir recheado de baladas e músicas com uma pegada mais romântica. Mas pelo visto, caí do cavalo. Porém me surpreendi muito.

Quando saiu o primeiro vídeo da saga de Miss. Roberts gravando o álbum, com o instrumental de Beat Of My Drum no background, meio que enlouqueci e a curiosidade de ouvir a versão finalizada foi só aumentando. Tudo era muito diferente e brilhante para uma Girl Aloud que não apostavamos todas as fichas. Queria prolongar esse post e contar como foi minha reação a cada música que foi “saindo”, ou em cada novidade sobre esse processo. Mas o foco são as músicas, e até porque quem lê o blog (ou me segue no twitter) acompanhou toda a alegria que foi a redescoberta de Nicola Roberts.

01. Beat Of My Drum

Nicola escalou um time de peso para lhe ajudar a fazer esse sonho possível. O coringa na jogada foi nada mais, nada menos que Diplo, que virou o bambambam depois que começou a usar a nossa musicalidade em suas produções. Beat Of My Drum é a prova que o funk americanizado deu certo e que não precisa ser vulgar para conquistar a todos. Esse single teve tanto impacto que todos se surpreenderam com o batidão envolvendo Nicola, que se rendeu dançando remexendo o popozão.

02. Lucky Day

O álbum ficou na responsabilidade do dj francês Dimitri Tikovoi, que junto com Maya Von Doll e com a própria Nicola, fizeram de Cinderella’s Eyes um dos álbuns britânicos mais esperados do ano. Lucky Day é despojada e com elementos retro. A voz de Nicola está na medida e o refrão nos conquista com sua simplicidade. Escrita “pelo” Dragonette, a música tem seus altos e baixos, porém não deixa de ser uma graça. Uma pena que como single, não tenha atingido bons índices nos charts. O clipe também segue a linha da música e mostra uma Nicola sapequinha andando pelas ruas com seu mini vestido. Veja aqui.

03. Yo-Yo

Yo-Yo foi uma das que mais gostei por ter uma batida tão intismista e ao mesmo tempo comum, que me rendi completamente. A letra da música é profunda, pois ninguem quer se sentir como um iô-iô sendo jogado de um lado para o outro. O detalhe dessa faixa está no bridge quando Nicola explora bem seu timbre e não faz feio ao cantar agudamente. Eu não consigo acompanhar, rs.

04. Cinderella’s Eyes

A faixa-título é uma música genuinamente nos moldes britânicos. Não há duvida que tem uma influência retrô novamente em Cinderella’s Eyes, por conta dos sintetizadores bizarros, mas a música é um prêmio a parte. Debochada, Nicola pergunta se a Cinderela está feliz com seus agudinhos.

05. Porcelain Heart

Porcelain Heart saiu logo em seguida de Beat Of My Drum e também me chamou a atenção por ser uma balada que o Girls Aloud cantaria tranquilamente. Os arranjos são fortes e a batida soa como uma forma de desabafo, do estilo, por favor… não quebre meu coraçãozinho de porcelana! Amo o baita grito que a Nicola dá aos ultimos minutos da música. Arrepiante.

06. I

Desde que que ouvi o preview de I, me senti intrigado com aquele som que lembrava o oriente, e que me dava uma melancolia. Com uma batida assustadora e ao mesmo tempo refrescante, é uma faixa que soa acusticamente muito bem. A voz de Nicola está crua e suas palavras fazem sentido conforme entra em colisão com os elementos lúdicos que só o Metronomy conseguiria fazer tão bem. Um detalhe que percebi foi que essa faixa não tem um refrão estabelecido. I é uma crítica ao nosso egocentrismo? Só sei que essa música começa e termina misteriosa.

07. Everybody’s Got to Learn Sometime

Com certeza o pessoal do The Korgis ficariam muito felizes se ouvissem esse cover que Nicola fez de um de seus maiores sucessos. A versão ficou por conta de pianos e batidas que beiram ao dubstep (que virou sensação agora. todas quer). Nem precisa falar que a voz da Nicola encaixou muito bem nessa versão. PONTO PARA NICÃO!

08. Say It Out Loud

Quem foi o engraçadinho que botou uma música do Goldfrapp no cd da Nicola?? Foi a primeira coisa que pensei na primeira vez que ouvi, porque a musicalidade é idêntica. Todos esses elementos futurísticos e oitentistas são a cara da banda britânica. Amo muito a forma que essa música toma vida. É fantástica e soa como se fizesse parte do filme Xanadu. Uma das minhas favoritas. Produzida pelo trio The Invisible Men, não temos no que se queixar, pois melhor impossível.

09. Gladiator

O batidão tá de volta, mas dessa vez Nicola só quer CHÃO CHÃO CHÃO CHÃO CHÃO. A energia dessa música é fora do normal, e apesar de não ser comercial o bastante, acredito que faria muito sucesso nas pistas. O bridge lembra “Closer” da Kylie Minogue, que também faria um ótimo trabalho se essa faixa caísse em suas mãos. Imagina só a miação de Nicola e Kylie juntas?? hahahaha

10. Fish Out Of Water

Não satisfeito com a bagunça gloriosa que aprontou em I, Metronomy produziu Fish Out Of Water, que também é toda trabalhada no mistério e nos sintetizadores. Simples e coesa, essa música toca como se fizessemos uma viagem no tempo ou pra qualquer lugar que não seria onde estariamos. O timbre suave dessa vez nos faz ficar hipnotizados por essa música que não faz sentido algum, só sei que ela está longe de ser um peixe fora d’agua.

11. Take A Bite

Take a Bite é uma música que me lembra muito a Uffie. Não sei porque mas essa variação de ritmos me fez até pensar que fosse ska ou algo mais urban. O refrão é desconexo e faz a música tomar outra dimensão. O The Invisible Man também foi responsável por essa produção, que também tem uma batida envolvente e que agrada a todos.

12. Sticks + Stones

A baladinha mais borocoxô desde Adele. Cheia de sentimento e mágoas passadas, Nicola não economiza nas emoções e desabafa como foi dificil lidar com as injustiças que passou e todo o drama que foi guardando. Muito comovente e emocionante, palavras sinceras e uma situação que todos já passaram. Uma música que fecha com chave de ouro.

Pois bem, o saldo total desse album sempre será positivo. Fico triste por Disco, Blisters & a Comedown não ter entrado pro álbum, pois é uma das melhores. Talvez não quiseram deixar o cd com ritmos muito repetidos, já que essa música também é um pop britânico.

Acredito que Nicola tem muito do que se orgulhar, apesar de não estar deslanchando nos charts, os fãs que acompanharam toda a saga ficaram muito felizes com esse lançamento. Posso até dizer que foi um dos melhores do ano e está melhor que qualquer outro lançado pela suas amigas de grupo. Não desdenhando o talento das outras, mas é que Nicola soube fazer um trabalho tão bom quanto o que desempenhava no grupo. Mas um debut não se compara a um hit coletivo, né?

Agora podemos confirmar que não existe mais um patinho feio, e sim, uma linda donzela a procura de seu final feliz.

PARABÉNS NICOLA. MUITO SUCESSO PARA VOCÊ!! ME ADICIONA NO MSN!!! hahaha

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...