Arquivos mensais: setembro 2013

No iPod: Lorde – Royals

Por em |

Queria falar muito da Lorde aqui, mas ela está chegando “agora” e só vem crescendo. E como eu tentei várias vezes a definir e não consegui, deixo o vídeo da música que estou viciado a semana toda: Royals.

Lorde acaba de lançar seu álbum, Pure Heroine e este tem um futuro promissor, pois está conquistando o mercado americano. Com essa carinha de Nicola Roberts ela diz se inspirar em Lana Del Rey, alguem ainda tem dúvida que essa menina vai longe?

Review: Cher – Closer To The Truth

Por em |

Após 12 anos sem álbum novo, Cher volta com novos e velhos ritmos. Mas nada que seja novo, literalmente.

Closer To The Truth
Nota: 3,0

    Artista: Cher

    Álbum: Closer To The Truth

    Gênero: Dance

Dias, anos, décadas, séculos se passaram e o novo cd de Cher nunca saia da gaveta. Com o tempo passando, seu material “novo” ficava cada vez mais ultrapassado e o medo do flop a afrontava. Mas parece que 2013 é o ano da sorte para ela, pois Holy Cher resolveu enfrentar o pop da atualidade e se jogar nas tendências e quebrar o hiatus de 12 anos.

Closer To The Truth foi divulgado e veio com uma capa sensual em que Cherzona está toda loira fatal mostrando pro mundo que tá enxuta e pronta para colocar as poderosas no bolso. Antes de ser lançado, a gravadora liberou o streaming e a gente correu para ouvir. Para variar a voz continua a mesma, mas a qualidade das músicas seguiu a linha mainstream com a essência dance que já tocou muito nas vitrolas de seus fãs. (brincadeira).

O álbum é ótimo, cheio de músicas dance e no estilo que estamos acostumados e que nos faz querer dançar. Baladinhas para se ouvir em dias de chuva também foram incluídas e para a produção das músicas, Cher foi esperta e chamou novos e antigos parceiros, até porque não se mexe em time que está ganhando.

Bom, não crie tantas expectativas em relação ao frescor das músicas; “Closer” não chega a ser o álbum da geração porém também não beira o marasmo de tendências. É como se pegasse o útlimo álbum dela e remixasse com produtores atuais. Claro que dentre tanto clichê, há músicas que merecem atenção e um repeat eterno. Alem da excelente Woman’s World, que tem composição assinada por P!nk e Timbaland, listei abaixo as faixas que mais gostei e despertou em mim uma sensação tão boa que corri para escrever sobre elas.

Take It Like A Man:
Não soa novo, porém tem tanto autotune que eu já amo! Lembra Believe e ainda tem um feat. quase inperceptivel de Jake Shears no refrão e alguns corinhos. Sem contar que é uma 2ª Faixa!

Dressed To Kill:
Essa faixa é pop dance do jeito que gosto. Com intro trabalhada no retro disco, com middle8 carregado e tem um refrão chiclete e autotune, claro. Cher está vestida para matar, e vai matar todas as outras faixas, porque eu só quero ouvir ela!

Red:
”All I see is red now”. Maravilhosa, essa faixa tem uma batida muito boa. Com refrãozinho jogativo e que dá pra fazer passinhos até. Parece aquelas produções do RedOne.

I Walk Alone:
Country Cher! Foi a primeira coisa que me veio a cabeça. Com um banjo afinado, uma batidinha vem chegando e toma conta com um refrão pop dance! Essa música está na medida.. se mexesse em alguma coisa, piorava. E pra melhorar essa música foi composta pela P!nk. OMG!

I Don’t Have to Sleep to Dream:
Dance dance dance! Composta por nossa amada Bonnie McKee e produzida por Timbaland. Uma delícia de música com uma batida pop e que com certeza a versão original era mais lenta. Não sei porque essa faixa ficou de fora do tracklist standard.

Quem curte baladas, pode ouvir a partir de Sirens pois não se decepcionará. Destaque para I Hope You Find It.
Ouçam o streaming liberado pela gravadora aqui:

Para ser sincero eu não estava esperando esse comeback, mas desde que foi lançado Woman’s World eu sabia que Cher ia voltar atualizada (assim como Madonna faz todo ano) porém quando saiu os previews das músicas, fiquei bem animado. Todas são ótimas mas são tão iguais que enjooa. As vezes tenho a impressão que estou ouvindo apenas pelo arranjo e a produção que foi bem feita, mas pra mim nem importa que seja a CHER. Mas é isso aí, vamos ver qual será o próximo single e torcer para que alguma das que gostei ganhe um clipe bacaninha.

Ainda amo cds…

Por em |

Cds

Desde quando eu era criança que tenho meu contato íntimo com música. Meu pai tinha um aparelho de som que tocava discos de vinil e fitas k7, que eram as minhas preferidas. Quando cresci um pouquinho, meu pai comprou um tocador de fita com gravador. Ah.. era minha diversão. Eu tinha várias fitas e a maioria eram infantis, e me lembro que as vezes dormia ouvindo minhas fitas do Sandy & Junior no meu walkman. O tempo foi passando e quando completei 10 anos ganhei um cd player que nossa, foi o suprassumo da minha infância, pois eu já era viciado em fitas, e ter um upgrade para cd foi muito interessante. Só de pensar que não precisaria ficar procurando a música na fita me deixava extasiado.

Só que antigamente os cds eram muito caros. Lembro que era em torno de R$ 40,00 cada, mas era muito legal poder comprar o cd e folhear o encarte que vinha. Achava tudo muito legal, mas como eu não tinha uma condição financeira alta, tive que me contentar com os cds piratas. E mesmo assim era carinhos, lembro que era R$ 10,00 cada e era de qualidade muito ruim. Graças a Deus a tecnologia foi evoluindo e o preço de ambos abaixou. Mas eu ouvia muito, e sempre comprava. Amava quando tinha promoções de 3 por R$ 10,00.

Alguns cds eram dificies de encontrar, ainda mais na minha cidade que tinha apenas uma lojinha de cds, que era o meu lugar favorito na terra, rs. E imaginem minha reação quando ia no shopping das cidades vizinhas? Morria e não saia de lá enquanto meus pais não me compravam um cd original. E o tempo passou, os mp3 surgiram e o download digital tomou lugar e infelizmente muitas pessoas perderam a vontade de comprar cds.

Eu, ao contrário AMO CDS e jamais deixei de comprar meus queridinhos. Quando comecei a trabalhar e ter dinheiro sobrando, ia nos sites e comprava vários cds que gostava e não tinha. Já falei muito aqui no blog das comprinhas que fiz e das coleções que completei. E amo sentir aquela sensação de antigamente, onde pegava o cd e o ouvia cantando as músicas lendo o encarte. E o preço hoje em dia está muito em conta, o valor de um cd hoje não é tão abusivo e vale muito a pena, basta procurar bem entre muitos anúncios e classificados gratis.


Parte da minha coleção de cds

Gente, diz aí:
O que vocês acham de cds? Tem alguma coleção ou pretende ter?
Gosta da nostalgia ou acha que já passou essa fase de cd físico?

Comentem, mantenham o blog vivo!

Review: Natalia Kills – Trouble

Por em |

De perfeccionista á garota problema, Natalia Kills
mostra seu amadurecimento em novo álbum.

Trouble
Nota: 5,0

    Artista: Natalia Kills

    Álbum: Trouble

    Gênero: Pop

Natalia Kills acabou de lançar seu novo álbum, Trouble, que ao contrário do antecessor, o álbum segue uma linha biográfica, despretensiosa, dramática, pesada e interessante. Toda vez que saia trecho de música, teaser de vídeo e tudo mais sobre Natalia, eu ignorava e pensava que não ia vingar. O passado flop dela irá sempre nos atormentar, pois muito sabemos que ela lutou pra conquistar seu lugar ao sol. Perfeccionist é um álbum que ouvi muito, muito mesmo; pois amava essa essência pop dark que dona Kills trazia, e amava mais por ser ousada e tentar a todo custo ser referência. Mas apesar de vários empurraõzinhos, ela chegou lá! Hoje, um pouco mais estabilizada e com outro conceito, Natalia Kills está apostando todas as suas fichas no sucesso de Trouble, e se depender de nós, pode trazer um disco de ouro pra garota!

Em Trouble é dificil escolher uma faixa para o representar, tal escolha teria sido dificil para a própria Natalia, pois cada uma delas significa um estágio de sua vida conturbada, inclusive a infância em que vivia com sua família problemática que para os outros sempre foram “a família perfeita. Quanto mais ouço, mais me surpreendo com a qualidade e novidade que cada faixa traz. Impossível eleger a favorita. Como vi que vários blogs já comentaram sobre o álbum, vou fazer um review diferente, até porque não quero que ninguem deixe de ouvir essa obra prima. Todas as faixas foram escritas por Natalia Kills com produção de Jeff Bhasker.

1. Television

Deve ouvir porque essa é a história da Natalia Kills. Apesar de ter uma intro meio dramática, a partir do minuto 1:30 a música começa e aí sim podemos desfrutar de Television, uma faixa bem nos moldes de Natalia e que nos embala a um electro rock disfarçado, pois a música com letras pesadas leva a pessoa não prestar atenção no quao triste a realidade de sua família, assim como na vida real estamos sempre mascarando a verdade. Boa sacada, Kills!! :)

2. Problem

Deve ouvir porque é electro dark e tem um refrão frenético. Ah, e porque também tem um clipe legalzinho e polêmico.

3. Stop Me

Deve ouvir porque tem uma letra bem forte, mas a musicalidade é fraca. E não é nada demais. Não sei se deve ou não ouvi-la, rs.

4. Boys Don’t Cry

Deve ouvir porque é hit e lembrem: meninos não choram! A faixa lembra Blondie por ter uma pegada rock dos anos 80s. Excelente!

5. Daddy’s Girl

Deve ouvir porque é a melhor do álbum. Além de conter sample da antiga Rich Girl de Hall & Oates e te deixa com vontade de quero mais. A música é linear e se destaca de todas as outras.

6. Saturday Night

Deve ouvir porque é a mais linda do álbum. Nessa música Natalia retrata de sua infância e conta sobre como se sentia ao conviver com o pai alcoolatra e sua mãe depressiva sofrendo violência doméstica. Triste e emocionante, a música ganhou um clipe tão forte quanto. A faixa é regada com uma batida dark e envolvente. 5 estrelas.

7. Devils Don’t Fly

Deve ouvir porque é uma balada profunda.

8. Outta Time

Deve ouvir porque é bonitinha e retrô! Alegre e fala sobre relacionamentos. Quebra um pouco esse conceito pesado do álbum. E tem lyric video!

9. Controversy

Deve ouvir porque é controversa. Boa mas não sei o que essa faixa faz nesse álbum. Pra ser mais controverso, só faltou chamar a M.I.A. para fazer um feat. Mas o batidão dela é delirante.

10. Rabbit Hole

Deve ouvir porque é do Diplo. Mentira! Mas é excelente também. Gosto bastante do refrão.

11. Watching You

Deve ouvir porque………. não deve ouvir. A não ser que você quiser dormir. Chatinha.

12. Marlboro Lights

Deve ouvir porque tem piano. Outra baladinha da Natalia e essa sim é linda e pode ouvir sem dormir. Mas devia ser a álbum do álbum. Só acho.

13. Trouble

Deve ouvir porque oh oh oh oh oh oh i’m trouble! Ótima e na medida, essa música finaliza o álbum e fica a vontade de ouvir tudo outra vez.

A recepção de Trouble foi boa e todos querem ouvir e conhecer mais sobre a garota problema, pois haja coragem para tirar lá do baú todos os traumas e histórias de sua vida para expor em músicas. Espero que Natalia colha muitos frutos, pois houve sinceridade nesse trabalho.

ROAR é lindo! Aplausos!

Por em |

A divulgação da nova era musical de Katy Perry está sendo pesada! Para “Prism”, Katy está investindo bastante em uma imagem menos conceitual e mais livre. Já teve vários teasers, dentre eles mostrava que a california gurl havia morrido, e que Katy agora seria selvagem. Daí saiu a tão esperada ROAR e todo só conseguiu pensar no quão Brave a música era. Apesar da polêmica, a música continuou linda no topo dos charts, barrando Lady Gaga com sua Applause. Ontem foi lançado o clipe de ROAR e é estilo um filme do Indiana Jones. Vem ver!

“- Divertido. ”
“- Emocionante. O clipe passa uma idéia de superação da mulher que sozinha domina a selva.”
“- Eletrizante.”

Katy Perry pode ter diversos defeitos e não ser a queridinha do pop, mas vamos combinar que a gata sabe como fazer videoclipes. Não é de hoje que os clipes da moça chamam a atenção. Todos muito criativos e impecáveis. O clipe de ROAR não ficou totalmente genial, mas a fotografia é belíssima e a atuação de Perry é sensacional, muito natural inclusive a interação dela com os animais.

Vamos combinar: Katy é a rainha da selva! Só da selva porque né…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...