Deus, eu consegui!

Minhas metas de 2013

Por em |

Momentos

Todo ano faço minha listinha com minhas vontades para o ano que nasce, mas eu sempre me esqueço de acompanhar e só lembro de fazer isso quando chega o final do ano. E eu fiquei muito feliz, pois consegui cumprir quase todas.

:sad: TIRAR CARTEIRA DE HABILITAÇÃO

Bom essa ainda está em processo… Vai ficar pra 2014!

:mrgreen: FAZER UM CURSO DE INGLÊS

Yes! Consegui completar esse. Agora falta mais um nível e pronto… serei formado em inglês!

:sad: PERDER MAIS PESO

Bom, perdi peso… mas trabalhando em casa a gente fica mais comilão e preguiçoso né?
Vou ter que deixar pro ano que vem!

:mrgreen: CRIAR UM NOVO PROJETO (NO CASO O EXPRESSE IDÉIAS)

Enfim tirei esse projeto do papel e o fiz andar. Se não conhecem ainda, por favor, curtam minha fanpage clicando aqui.

:mrgreen: CONHECER PESSOAS NOVAS

2013 foi um ano de amizades, conheci muitas pessoas que fizeram meu ano muito mais feliz.

:mrgreen: PAGAR TODAS AS PROMESSAS QUE FIZERAM EM MEU BEM

Quando se sofre um acidente e fica na UTI, muitas promessas são feitas em seu nome. Como minha família é muito católica, os santinhos lá do céu não aguentando os pedidos da minha família, eis que me deram outra chance. E sim, cumpri a última promessa que faltava: ir a cidade de Aparecida.

:mrgreen: TRABALHAR MENOS

Sim, consegui trabalhar menos. Como sai do meu trabalho, estou podendo descansar… mas ano que vem quero voltar ao batente e em um lugar novo e cheio de pessoas diferentes.

:mrgreen: SE DIVERTIR MAIS

Me diverti horrores. Fui em muito lugar legal e com pessoas incríveis. Momentos únicos e especiais.

:mrgreen: VIAJAR MAIS

Bom, minha intenção era sair da minha cidade natal, então consegui! Conheci diversas cidades e culturas. Para o ano que vem quero muito viajar internacionalmente. (yn)

:mrgreen: PRATICAR MINHA RELIGIÃO

Nesse ano me firmei na fé e comecei a viver diferente. Comecei a participar de um grupo de jovens e me dedicar mais as atividades da paróquia. Muito bom também!

Bom, foram essas algumas metas. E agora começa as novas que tenho que escrever.
Espero que consigo cumprir a maioria delas.

E você? Teve alguma realização pessoal que foi importante esse ano??
Não tenha vergonha, me conte!! 😉

Retrospectiva 2012 em música

Por em |

No ano de 2012 esperamos pelo maior acontecimento de nossas vidas, o mais importante da história humana e o mais absurdo de todos: o fim do mundo que acabou não existindo. Eu pra variar não liguei muito, mas foi inevitável não ter aquele pensamento negativo né? Enfim, para esse evento mundial, me preparei com a melhor trilha sonora possível. Nem preciso dizer o quanto PSY abrilhantou com seu Oppa Gangnam Style ou a Britney Bitch Spears com seu Olá Negões, né?

Minha trilha sonora de 2012 começa com Lady Gaga, que veio no Brasil e nos deu um pouquinho de seu amor e carinho, e apesar de todo o cansaço que houve antes do show, não me arrependi de nada e faria tudo novamente se possível. Ouvi muito Gaga antes do show para ir entrando no clima e ouvi muito depois do show, pra relembrar cada momento. Só tenho uma coisa a dizer: quem não foi, perdeu o melhor show da vida. Ouvi muita Rihanna dos anos anteriores também, porque me decepcionei bastante com esse Unapologetic, que se gostei de umas quatro, foi muito. Katy Perry marcou presença no meu player também, mas como a fia também não lançou nada, fico ouvindo os álbuns antigos. Uma belezinha que me alegra e acalma bastante enquanto trabalho é Lily Allen. It’s Not Me It’s You é meu xodó e sempre que enjôo do que ouço, ele é meu refúgio e refresca todas as idéias. Nem faz muito tempo, mas foi meu amigo Paulo Rezende me indicou o reality show RuPaul’s Drag Race e fiquei impressionado com as músicas da(o) RuPaul e baixei quase a discografia toda e ouço religiosamente todo dia pelo menos uma música. Amo Glamazon, Champion, Superstar, Cover Girl e a clássica Jealous Of My Boogie. Sensacional… and don’t fuck it up!

De tantos álbuns que foram lançados em 2012, os que mais gostei e que ouvi bilhões de vezes foram: (a ordem deles não interfere na ordem em que foram mais tocados.)

1) Gossip – A Joyful Noise
Eu fiz um review aqui no blog, e esse álbum foi um dos favoritos por motivos de Beth Ditto. rs Não tem como negar o quanto essa linda canta e destrói em todas as músicas. Destrói mesmo, no bom sentido da coisa, não tem pra ninguem. As músicas desse álbum são mais pops do que a do cd anterior, Music For Men, que tinham uma vibe indie carregadíssima. Em Joyful, os Gossips não perderam tempo e botaram o time Xenomania pra trabalhar e eles fizeram o dever de casa perfeitamente. Eu adorei e ouvi um bom bocado.

2) Adam Lambert – Trespassing
Também fiz um review e falei bem demais de Adam e seu Trespassing. Não me arrependo das palavras que postei, mas não tenho nada a mais para acrescentar. Lambert invadiu 2012 e se o mundo tivesse acabado ali, pelo menos iriamos estar satisfeitos com a sua aclamação. Não sei se o álbum teve um impacto que a gravadora esperava, mas eu gostei muito e ouço muito enquanto estou animado. Álbum pop de um cantor masculino que mais gostei em anos.

3) Agnes – Veritas
Agnes who? Bem, Agnes é bem desconhecida por aqui e ali, mas na Suécia ela faz muito sucesso. É tipo Leona Lewis só que sueca, sabe? Ela ficou conhecida por sua música, Release Me e Don’t Breaking My Heart. O novo cd dela é eurodance com muita classe, um álbum que você ouve e não enjoa fácil, pois as músicas transitam entre gêneros e não se prende a um estilo só. Eu sou viciado na melodramática One Last Time, mas também adoro as dançantes Amazing, Into The Sun e a midtempo All I Want Is You. Veritas é um dos melhores álbuns internacionais que ouvi. Na medida certa! Vale a pena conhecer.

4) Carly Rae Jepsen – Kiss
Call Me, Maybe?? Não bastou o sucesso dessa música para Carly se firmar no território musical, o álbum tinha que vingar. Também não sei se bateu a meta da gravadora, mas eu lembro que fez muito barulho. E um barulho doce, juvenil, inocente e inofensivo. O jeito menininha dela cativou e agradou todo mundo, o cd também. Eu adorei a vibe Sandy, Diana Vickers, Taylor Swift e por aí vai… de Kiss. Só tem músicas que são alegres ou são muito meigas, a começar por Tiny Little Bows que tem “samples” de Cupid, depois a oitentista This Kiss, a saturada Call Me Maybe, a repaginada Curiosity (prefiro a versão do ep), a parceria fofa de Good Time e a partir daí eu acho muito igual e meio cansativo. Não sei porque, mas eu não senti nada demais nessas outras, nem o feat. com o Bieber me chamou a atenção. Mas mesmo assim ouvi bastante Carly no ano que passou.

5) Marina & The Diamonds – Electra Heart
Eu curto Marinão desde Oh No! e não larguei mais. O primeiro cd não tem muito parentesco com o de 2012, mas eles conversam. Electra é eletrônico e cheio de guitarras e sintetizadores potentes a ponto de elevar timbres até então nunca ouvidos nesses estilos de música (a não ser pela lendária Cher). Amo o conceito e ouço muito, até hoje o som retrô de Bubblegum Bitch juntamente da poderosa Power & Control. Hypocrates é aquela música que parece que saiu de um sonho seu, quando você está sob as nuvens… coisa assim. Caso interesse, tem um review meu aqui. Também foi um dos que mais gostei e aprovei durante o ano que passou.

6) Pink – The Truth About Love
Lançou cd, fez uma turnê fodástica, engravidou, teve o bebê, voltou aos estúdios, gravou um cd mais foda ainda e está aí, linda novamente e matando a gente de amores. Essa é Pink, a rebelde que mais amamos. <3 The Truth About Love é tudo aquilo que amamos nela maximizado. Eu amo a sonoridade que ela tem e que só pertence a ela. Não tem mais nada que não seja a Pink nesse cd. Fiquei fascinado por Try, que era tudo que esperava dela. Uma midtempo com um refrão que escancara e é forte como pedra. A energia de Slut Like You, Are We All We, Walk Of Shame e The Truth About Love são contagiantes. E os feats de Lily Allen e Nate Ruess abrilhantaram a produção. Perfeito, não sei outra palavra sem ser essa. Não vi ninguem reclamando desse álbum. NINGUÉM. APLAUDO PINK DE PÉ, e espero um dia que a turnê passe por aqui para ver essa mulher voando e berrando ao vivo.

Extra: Madonna – MDNA
E pra finalizar a não menos importante, MADONNA. A toda poderosa da música pop deixou a desejar! Falou tanto do álbum que o fez embolorar em minutos. Madge lançou MDNA e correu para conseguir ganhar um dinheirinho fazendo uma tour, pq senão iria morrer de fome. Eu fiz o review do cd e adorei. Adorei e só. Não amei e não fiquei ouvindo todas as músicas e querendo mais. Enjooei rápido demais e estranhei quando isso aconteceu, pq Madonna é Madonna. Era uma afronta descurtir o cd do ano, não é? Não. Tal acontecimento me fez não ter muita vontade de assisti-la ao vivo, ainda mais pela insensatez nos palcos. Enfim, eu não irei mentir, não gostei tanto.. mas das músicas que gostei, ouvi muito. Love Spent é minha favorita, junto a Give Me All Your Luvin’, Gang Bang, Turn Up The Radio, e I Don’t Give A. E não me venha com as baladinhas que eu jogo elas de volta em você.

Eu ainda poderia mencionar o debut do Little Mix, os comebacks de Leona Lewis, Christina Aguilera, Girls Aloud, Bruno Mars e muitos outros, mas esse post ficaria maior ainda e mais arrastado. Vou deixar para postar sobre eles em breve, com reviews ou como baú pop.

Pois bem, esse é meu registro sobre o que mais ouvi durante o quase-apocalíptico 2012.
Desligo. Câmbio!

10 motivos para comprar um Samsung Ace

Por em |

Samsung Ace

Há alguns dias comprei um smartphone pois estava parecendo um homem das cavernas com meu Sony Ericsson de 2009 (acreditem se quiserem). Queria muito um iPhone 4, mas minhas condições financeiras (ou minha murrinhagem) não me deixaram dar esse passo, mas pesquisei e encontrei o Samsung Galaxy Ace que era um parente do queridinho da Apple. O custo beneficio também me agradou muito e vou deixar aqui 10 motivos diretos para você que está precisando dar um upgrade mas não quer gastar muito e quer um produto de alto escalão.

1. É um smartphone com conexão wifi e 3G.

2. Tem sistema operacional Android.

3. Aceita cartões de memórias de até 32GB.

4. Tem camera digital de 5 megapixels e flash integrado.

5. Vem com aplicativos incríveis e que não podemos viver sem, tais como agenda, calculadora, notas, e até GPS.

6. Tem um design bem bonito e se parece bastante com o iPhone 3G. É leve e tem um tamanho considerável em relação aos outros aparelhos.

7. Função Swype: sistema de entrada de texto, permite que você insira texto deslizando o dedo sobre o teclado direito as letras.

8. Seu processador é de 800 MHz e o tempo de resposta é bem rápido. Não travou nenhuma vez que estive usando.

9. Seu gerenciador de música é ótimo e é bem fácil de usar.

10. A bateria dura tempo bastante com um uso mediano e tem um sistema de economia que pode ser ativado que não o faz perder suas funcionalidades e as opera em modo de espera.

Contras (até agora):

1. Apesar da camera ser excelente, não tem um botão exclusivo para tirar foto, sendo que para tal função, deve ser disparada com um toque na tela, o que dificulta um pouco o processo.

2. Tem pouca memória interna, que faz com que todas as aplicações fiquem armazenadas no cartão.

3. Por ser um produto integrado ao Google, quando você usa sua conta do gmail, automaticamente seus contatos de lá vão para seu celular (inclusive os “amigos” do orkut). Tal sicronização é ótima, mas eu não gostei muito. Acabou que fui obrigado a usar um programa da Samsung para apagar todos os contatos do Google.

4. O aparelho apresentará diferentes conteúdos conforme a operadora que você comprar. Algumas funções podem alterar (ou nem existir).

5. Nem todos os aplicativos disponíveis na loja do Google Play funcionam perfeitamente.

No mais, o Samsung Galaxy Ace é um ótimo smartphone e apesar dos contras que apresentei, oferece todas as funções que promete e não deixa tanto a desejar. Tem um design moderno e arrojado, chegando a parecer a versão antiga do iPhone. Seu processador é excelente e tem capacidade de rodar jogos e vídeos sem travar. O sistema gerenciador é Android e tem suporte para cartões de memória e conta com conexões wifi e 3g.
★★★★☆

Nicola Roberts, are you happy?

Por em |

Nicola, Cinderela


Cinderella's Eyes
Nota: 5,0

    Artista: Nicola Roberts

    Álbum: Cinderella’s Eyes

    Gênero: Pop

Quis começar esse review do mesmo jeito que Nicola começou sua carreira solo: contando um conto! E se formos analisar, a “confecção” do álbum soa como um conto dos irmãos Grimm em que o começo é sofrido mas ao decorrer da estória, tudo toma seu devido lugar. Sim, a história solo de Nicola Roberts não iniciou muito feliz; já que quando ela assinou contrato com a gravadora, todos os fãs do Girls Aloud duvidaram de sua capacidade. Tanto que conforme iam saindo notícias, menos interesse havia.

Apesar de conhecer o grupo há pouco tempo, jamais pensei que a Nicola iria fazer um trabalho tão diferente e com uma qualidade superior de qualquer outra integrante. Desde então imaginei que o álbum iria vir recheado de baladas e músicas com uma pegada mais romântica. Mas pelo visto, caí do cavalo. Porém me surpreendi muito.

Quando saiu o primeiro vídeo da saga de Miss. Roberts gravando o álbum, com o instrumental de Beat Of My Drum no background, meio que enlouqueci e a curiosidade de ouvir a versão finalizada foi só aumentando. Tudo era muito diferente e brilhante para uma Girl Aloud que não apostavamos todas as fichas. Queria prolongar esse post e contar como foi minha reação a cada música que foi “saindo”, ou em cada novidade sobre esse processo. Mas o foco são as músicas, e até porque quem lê o blog (ou me segue no twitter) acompanhou toda a alegria que foi a redescoberta de Nicola Roberts.

01. Beat Of My Drum

Nicola escalou um time de peso para lhe ajudar a fazer esse sonho possível. O coringa na jogada foi nada mais, nada menos que Diplo, que virou o bambambam depois que começou a usar a nossa musicalidade em suas produções. Beat Of My Drum é a prova que o funk americanizado deu certo e que não precisa ser vulgar para conquistar a todos. Esse single teve tanto impacto que todos se surpreenderam com o batidão envolvendo Nicola, que se rendeu dançando remexendo o popozão.

02. Lucky Day

O álbum ficou na responsabilidade do dj francês Dimitri Tikovoi, que junto com Maya Von Doll e com a própria Nicola, fizeram de Cinderella’s Eyes um dos álbuns britânicos mais esperados do ano. Lucky Day é despojada e com elementos retro. A voz de Nicola está na medida e o refrão nos conquista com sua simplicidade. Escrita “pelo” Dragonette, a música tem seus altos e baixos, porém não deixa de ser uma graça. Uma pena que como single, não tenha atingido bons índices nos charts. O clipe também segue a linha da música e mostra uma Nicola sapequinha andando pelas ruas com seu mini vestido. Veja aqui.

03. Yo-Yo

Yo-Yo foi uma das que mais gostei por ter uma batida tão intismista e ao mesmo tempo comum, que me rendi completamente. A letra da música é profunda, pois ninguem quer se sentir como um iô-iô sendo jogado de um lado para o outro. O detalhe dessa faixa está no bridge quando Nicola explora bem seu timbre e não faz feio ao cantar agudamente. Eu não consigo acompanhar, rs.

04. Cinderella’s Eyes

A faixa-título é uma música genuinamente nos moldes britânicos. Não há duvida que tem uma influência retrô novamente em Cinderella’s Eyes, por conta dos sintetizadores bizarros, mas a música é um prêmio a parte. Debochada, Nicola pergunta se a Cinderela está feliz com seus agudinhos.

05. Porcelain Heart

Porcelain Heart saiu logo em seguida de Beat Of My Drum e também me chamou a atenção por ser uma balada que o Girls Aloud cantaria tranquilamente. Os arranjos são fortes e a batida soa como uma forma de desabafo, do estilo, por favor… não quebre meu coraçãozinho de porcelana! Amo o baita grito que a Nicola dá aos ultimos minutos da música. Arrepiante.

06. I

Desde que que ouvi o preview de I, me senti intrigado com aquele som que lembrava o oriente, e que me dava uma melancolia. Com uma batida assustadora e ao mesmo tempo refrescante, é uma faixa que soa acusticamente muito bem. A voz de Nicola está crua e suas palavras fazem sentido conforme entra em colisão com os elementos lúdicos que só o Metronomy conseguiria fazer tão bem. Um detalhe que percebi foi que essa faixa não tem um refrão estabelecido. I é uma crítica ao nosso egocentrismo? Só sei que essa música começa e termina misteriosa.

07. Everybody’s Got to Learn Sometime

Com certeza o pessoal do The Korgis ficariam muito felizes se ouvissem esse cover que Nicola fez de um de seus maiores sucessos. A versão ficou por conta de pianos e batidas que beiram ao dubstep (que virou sensação agora. todas quer). Nem precisa falar que a voz da Nicola encaixou muito bem nessa versão. PONTO PARA NICÃO!

08. Say It Out Loud

Quem foi o engraçadinho que botou uma música do Goldfrapp no cd da Nicola?? Foi a primeira coisa que pensei na primeira vez que ouvi, porque a musicalidade é idêntica. Todos esses elementos futurísticos e oitentistas são a cara da banda britânica. Amo muito a forma que essa música toma vida. É fantástica e soa como se fizesse parte do filme Xanadu. Uma das minhas favoritas. Produzida pelo trio The Invisible Men, não temos no que se queixar, pois melhor impossível.

09. Gladiator

O batidão tá de volta, mas dessa vez Nicola só quer CHÃO CHÃO CHÃO CHÃO CHÃO. A energia dessa música é fora do normal, e apesar de não ser comercial o bastante, acredito que faria muito sucesso nas pistas. O bridge lembra “Closer” da Kylie Minogue, que também faria um ótimo trabalho se essa faixa caísse em suas mãos. Imagina só a miação de Nicola e Kylie juntas?? hahahaha

10. Fish Out Of Water

Não satisfeito com a bagunça gloriosa que aprontou em I, Metronomy produziu Fish Out Of Water, que também é toda trabalhada no mistério e nos sintetizadores. Simples e coesa, essa música toca como se fizessemos uma viagem no tempo ou pra qualquer lugar que não seria onde estariamos. O timbre suave dessa vez nos faz ficar hipnotizados por essa música que não faz sentido algum, só sei que ela está longe de ser um peixe fora d’agua.

11. Take A Bite

Take a Bite é uma música que me lembra muito a Uffie. Não sei porque mas essa variação de ritmos me fez até pensar que fosse ska ou algo mais urban. O refrão é desconexo e faz a música tomar outra dimensão. O The Invisible Man também foi responsável por essa produção, que também tem uma batida envolvente e que agrada a todos.

12. Sticks + Stones

A baladinha mais borocoxô desde Adele. Cheia de sentimento e mágoas passadas, Nicola não economiza nas emoções e desabafa como foi dificil lidar com as injustiças que passou e todo o drama que foi guardando. Muito comovente e emocionante, palavras sinceras e uma situação que todos já passaram. Uma música que fecha com chave de ouro.

Pois bem, o saldo total desse album sempre será positivo. Fico triste por Disco, Blisters & a Comedown não ter entrado pro álbum, pois é uma das melhores. Talvez não quiseram deixar o cd com ritmos muito repetidos, já que essa música também é um pop britânico.

Acredito que Nicola tem muito do que se orgulhar, apesar de não estar deslanchando nos charts, os fãs que acompanharam toda a saga ficaram muito felizes com esse lançamento. Posso até dizer que foi um dos melhores do ano e está melhor que qualquer outro lançado pela suas amigas de grupo. Não desdenhando o talento das outras, mas é que Nicola soube fazer um trabalho tão bom quanto o que desempenhava no grupo. Mas um debut não se compara a um hit coletivo, né?

Agora podemos confirmar que não existe mais um patinho feio, e sim, uma linda donzela a procura de seu final feliz.

PARABÉNS NICOLA. MUITO SUCESSO PARA VOCÊ!! ME ADICIONA NO MSN!!! hahaha

Eis o novo e básico FP

Por em |

Sim, depois de tanto suspense e espera, tô lançando o novo layout do FrutoProibido.Org.

Visualmente eu resolvi fazer uma collage moderna (totalmente influenciado pelas collages da Ciara e cover arts do Dragonette). As cores estão suaves e o vermelho da maçã continua marcante. Como havia dito no teaser, “Adão e Eva cometeram um pecado sob a influência de uma cobra”. Quis retratar essa passagem tão importante e um dos chamarizes desse blog, que é o fruto proibido. Os outros elementos do layout não fazem sentido. Ou fazem???? Tirem suas conclusões!

Uma das novidades do blog, é que agora vamos ter os posts DROPS!
Isso mesmo, posts curtos e com informação necessária para você ler durante um intervalo, ler no serviço enquanto seu patrão vai ao banco, ler na escola enquanto aquela professora mala tá explicando uma matéria chata, ler no seu celular e por aí vai…

Os posts sobre música (tais como Baú Pop, No iPod, Mixtapes e Resenhas) continuarão sendo postados com a mesma frequência de sempre. Já que na enquete que fiz, a maioria votou nessa seção pra continuar.

Aqueles posts que vocês acompanhavam nos primórdios e que hora ou outra apareciam aqui também irão voltar. Pois foi a segunda opção mais votada na enquete. Até porque o propósito do blog sempre foi esse. Poder compartilhar minha vida e minha opinião com os leitores.

E para melhorar a novidade, teremos uma promoção pra presentear os leitores do blog. Mas por enquanto é só digo isso. Logo a promo vai entrar no ar, então eu aconselho a ficar ligado no blog!!

Espero que tenham gostado da reestreia do blog e de todas as novidades. Obrigado pelo carinho e por todas as visitas durante todos esses anos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...