Resenhas de Álbuns

Review: Katy Perry – Prism

Por em |

O álbum colorido e reluzente de Katy Perry superou expectativas e é uma safra de novos hits, porém não houve inovação.

Prism
Nota: 4,0

    Artista: Katy Perry

    Álbum: Prism

    Gênero: Pop

2013 iria ser o ano do comeback de Katy Perry, que depois de destrinchar seu Teenage Dream todinho, iria vir com um álbum novo e cheio de drama e atitude. Bom, esse marketing falhou pois Katy Perry não veio rebelde como imaginavamos, porém trouxe um álbum na medida e bem mais maduro. Na minha opinião o melhor de toda sua carreira.

Prism é como uma viagem no tempo. Depois de trazer toda a doçura da adolescência, Katy foi além e como um prisma, deixou a luz bruta entrar e refletir suas próprias cores. O álbum passeia entre vários estilos e as faixas conversam entre si. Façam o teste: coloquem o álbum para tocar e deixe no modo aleatório. A sintonia entre as músicas continuam a mesma? Bom, eu achei que sim. Uma parece complementar a outra e você pode até dizer que Prism é igual. Mas eu discordo, se você parar para ouvi-lo com atenção, vai notar o quão são diferentes.

Em time que está ganhando não se mexe, e Katy não mudou muito do lineup de produtores. Os hitmakers Dr Luke, Max Martin, Cirkut e Bonnie McKee continuaram intactos. As novidades ficaram por conta das colaborações com Sia, Emeli Sandé e o seu amado John Mayer, que segundo ela foi o responsável pelo nome do álbum. Se você ainda não ouviu o álbum, peço que faça já. Ou pelo menos as prévias, basta dar play abaixo:

Prism dá partida em Roar, que dispensa apresentações. Eu sei que você já cansou de ouvir o rugido da Katy por aí. E claro, já postamos aqui também. Foi uma boa escolha começar com Roar, pois é bom que já dá pra ver que essa música já deve ser descartada logo. Legendary Lovers chega com a temática oriental nas veias. Com o arranjo inspirado em Bollywood, a música se desenvolve ao meio hindu. Tem um refrãozinho chiclete e já a detectamos como uma 2ª faixa. Estonteante, Birthday começa com gostinho de disco music, onde todo mundo dançava nas discotecas com roupas extravagantes e estilosas. Uma faixa pop e com uma letra bem fofa. Na mesma viagem ao tempo, Katy traz o gosto dos anos 90 na frenética Walking On Air, que me lembra muito minha infância onde todos as músicas dance havia essa batida. Unconditionally é a primeira baladinha e vem para tranquilizar um pouco. Essa música tem muito a cara da Katy e o refrão dela é bem intenso.

A intro de Dark Horse é fantástica. Hipnotiza e eu queria muito que tivesse mais dessa bizarrice na música. A participação de Juicy J é interessante e eleva a música outro padrão. Antes do álbum sair, era a minha preferida e de longe a mais diferente do Prism, por ter uma batida nigga e com um refrão melódico. Falando em favoritas, estou amando This Is How We Do como se não houvesse amanhã. Com uma pegada urban e uma batida desprentensiosa, “This…” tem um refrão marcante e que estou com ele na cabeça desde a primeira vez que ouvi. Destaque para o fade onde Katy diz: “What? Wait. No, no, no… Bring the beat back, that’s right” e a música volta a tocar. International Smile parece que veio importada do Teenage Dream, soa como a continuação de Part Of Me, inclusive quando entra um arranjo que lembra o saxofone de Last Friday Night, o que não a faz ser ruim.. pois é ótima. Tem uma vibe tão conhecida, que faz lembrarmos que a Katy das antigas ainda está ali. O começo de Ghost começa muito triste e obscuro, mas o refrão é animadinho e manda o fantasma da tristeza embora. Mas essa música fica ali, mas não marca presença. Saindo da zona de conforto, Love Me é uma baladinha produzida pelos suecos Bloodshy & Avant. E como é marca registrada da dupla, a batida frenética não podia faltar. Vocais no ponto, espero que se ela for a cantar ao vivo, que mantenha o tom.

Anos 80, é como descrevo This Moment que me lembra PetShop Boys, League Human e toda as percursoras do synthpop que com certeza inspirou Stargate e Benny Blanco a produzir essa faixa. Gostei bastante e está entre minhas favoritas. Double Rainbow é uma música da Sia e eu aposto que será single. Ninguem é louco de gravar algo dela e não lançar, é tipo comprar um pote de sorvete e comer sozinho. A faixa é a balada mais intimista do álbum e tem aquele Q de hit, a julgar pelo refrão mainstream. Autobiografica, By the Grace of God é a música de agradecimento a Deus por uma nova vida, linda por sinal e fecha o álbum standard com chave de ouro. Uma baladinha que não tem potencial para single.

Só queria saber porque Spiritual ficou de fora do tracklist e entrou como bônus. O que é essa música? Perfeita! Com um arranjo incrível puxado pro synth moderno, a faixa tem a colaboração de John Mayer e é uma das melhores e mais produzidas. Assim como It Takes Two que é uma baladinha intensa e bem Katy também, porém escrita pela nossa amada Emeli Sandé. E para finalizar, a envolvente e enigmática Choose Your Battles, que mostra o quanto o álbum é misto em estilos e Katy não se deixa uniformizar.


Katy Perry – Walking on Air [SNL] por eidurrasmussen

Katy Perry enterrou a Katy doce e colorida, mas o espirito dela continua vivo. Houve muita evolução da cantora em Prism, mas o medo de pensar fora da caixa foi maior e o álbum soou mais um da Katy Perry. O trabalho está impecável e não consegui desaprovar nenhuma das músicas e acho que esse álbum irá sim ser um marco na carreira dela, porém não fez nem cócegas em relação a história do pop. Gostei de tudo? Sim, porém não dei 5 estrelas pelo fato de não acha-lo envolvente e novo. No fim tudo foi reformado e misturado com antigas referências, mas nada realmente que seria novidade.

Obrigado Katy por um álbum recheado de hits e espero que você trabalhe bastante nele. Pois o álbum está impecável em cada detalhe. Te amamos, gatinha. ROAR!

Review: Cher – Closer To The Truth

Por em |

Após 12 anos sem álbum novo, Cher volta com novos e velhos ritmos. Mas nada que seja novo, literalmente.

Closer To The Truth
Nota: 3,0

    Artista: Cher

    Álbum: Closer To The Truth

    Gênero: Dance

Dias, anos, décadas, séculos se passaram e o novo cd de Cher nunca saia da gaveta. Com o tempo passando, seu material “novo” ficava cada vez mais ultrapassado e o medo do flop a afrontava. Mas parece que 2013 é o ano da sorte para ela, pois Holy Cher resolveu enfrentar o pop da atualidade e se jogar nas tendências e quebrar o hiatus de 12 anos.

Closer To The Truth foi divulgado e veio com uma capa sensual em que Cherzona está toda loira fatal mostrando pro mundo que tá enxuta e pronta para colocar as poderosas no bolso. Antes de ser lançado, a gravadora liberou o streaming e a gente correu para ouvir. Para variar a voz continua a mesma, mas a qualidade das músicas seguiu a linha mainstream com a essência dance que já tocou muito nas vitrolas de seus fãs. (brincadeira).

O álbum é ótimo, cheio de músicas dance e no estilo que estamos acostumados e que nos faz querer dançar. Baladinhas para se ouvir em dias de chuva também foram incluídas e para a produção das músicas, Cher foi esperta e chamou novos e antigos parceiros, até porque não se mexe em time que está ganhando.

Bom, não crie tantas expectativas em relação ao frescor das músicas; “Closer” não chega a ser o álbum da geração porém também não beira o marasmo de tendências. É como se pegasse o útlimo álbum dela e remixasse com produtores atuais. Claro que dentre tanto clichê, há músicas que merecem atenção e um repeat eterno. Alem da excelente Woman’s World, que tem composição assinada por P!nk e Timbaland, listei abaixo as faixas que mais gostei e despertou em mim uma sensação tão boa que corri para escrever sobre elas.

Take It Like A Man:
Não soa novo, porém tem tanto autotune que eu já amo! Lembra Believe e ainda tem um feat. quase inperceptivel de Jake Shears no refrão e alguns corinhos. Sem contar que é uma 2ª Faixa!

Dressed To Kill:
Essa faixa é pop dance do jeito que gosto. Com intro trabalhada no retro disco, com middle8 carregado e tem um refrão chiclete e autotune, claro. Cher está vestida para matar, e vai matar todas as outras faixas, porque eu só quero ouvir ela!

Red:
”All I see is red now”. Maravilhosa, essa faixa tem uma batida muito boa. Com refrãozinho jogativo e que dá pra fazer passinhos até. Parece aquelas produções do RedOne.

I Walk Alone:
Country Cher! Foi a primeira coisa que me veio a cabeça. Com um banjo afinado, uma batidinha vem chegando e toma conta com um refrão pop dance! Essa música está na medida.. se mexesse em alguma coisa, piorava. E pra melhorar essa música foi composta pela P!nk. OMG!

I Don’t Have to Sleep to Dream:
Dance dance dance! Composta por nossa amada Bonnie McKee e produzida por Timbaland. Uma delícia de música com uma batida pop e que com certeza a versão original era mais lenta. Não sei porque essa faixa ficou de fora do tracklist standard.

Quem curte baladas, pode ouvir a partir de Sirens pois não se decepcionará. Destaque para I Hope You Find It.
Ouçam o streaming liberado pela gravadora aqui:

Para ser sincero eu não estava esperando esse comeback, mas desde que foi lançado Woman’s World eu sabia que Cher ia voltar atualizada (assim como Madonna faz todo ano) porém quando saiu os previews das músicas, fiquei bem animado. Todas são ótimas mas são tão iguais que enjooa. As vezes tenho a impressão que estou ouvindo apenas pelo arranjo e a produção que foi bem feita, mas pra mim nem importa que seja a CHER. Mas é isso aí, vamos ver qual será o próximo single e torcer para que alguma das que gostei ganhe um clipe bacaninha.

Review: Natalia Kills – Trouble

Por em |

De perfeccionista á garota problema, Natalia Kills
mostra seu amadurecimento em novo álbum.

Trouble
Nota: 5,0

    Artista: Natalia Kills

    Álbum: Trouble

    Gênero: Pop

Natalia Kills acabou de lançar seu novo álbum, Trouble, que ao contrário do antecessor, o álbum segue uma linha biográfica, despretensiosa, dramática, pesada e interessante. Toda vez que saia trecho de música, teaser de vídeo e tudo mais sobre Natalia, eu ignorava e pensava que não ia vingar. O passado flop dela irá sempre nos atormentar, pois muito sabemos que ela lutou pra conquistar seu lugar ao sol. Perfeccionist é um álbum que ouvi muito, muito mesmo; pois amava essa essência pop dark que dona Kills trazia, e amava mais por ser ousada e tentar a todo custo ser referência. Mas apesar de vários empurraõzinhos, ela chegou lá! Hoje, um pouco mais estabilizada e com outro conceito, Natalia Kills está apostando todas as suas fichas no sucesso de Trouble, e se depender de nós, pode trazer um disco de ouro pra garota!

Em Trouble é dificil escolher uma faixa para o representar, tal escolha teria sido dificil para a própria Natalia, pois cada uma delas significa um estágio de sua vida conturbada, inclusive a infância em que vivia com sua família problemática que para os outros sempre foram “a família perfeita. Quanto mais ouço, mais me surpreendo com a qualidade e novidade que cada faixa traz. Impossível eleger a favorita. Como vi que vários blogs já comentaram sobre o álbum, vou fazer um review diferente, até porque não quero que ninguem deixe de ouvir essa obra prima. Todas as faixas foram escritas por Natalia Kills com produção de Jeff Bhasker.

1. Television

Deve ouvir porque essa é a história da Natalia Kills. Apesar de ter uma intro meio dramática, a partir do minuto 1:30 a música começa e aí sim podemos desfrutar de Television, uma faixa bem nos moldes de Natalia e que nos embala a um electro rock disfarçado, pois a música com letras pesadas leva a pessoa não prestar atenção no quao triste a realidade de sua família, assim como na vida real estamos sempre mascarando a verdade. Boa sacada, Kills!! :)

2. Problem

Deve ouvir porque é electro dark e tem um refrão frenético. Ah, e porque também tem um clipe legalzinho e polêmico.

3. Stop Me

Deve ouvir porque tem uma letra bem forte, mas a musicalidade é fraca. E não é nada demais. Não sei se deve ou não ouvi-la, rs.

4. Boys Don’t Cry

Deve ouvir porque é hit e lembrem: meninos não choram! A faixa lembra Blondie por ter uma pegada rock dos anos 80s. Excelente!

5. Daddy’s Girl

Deve ouvir porque é a melhor do álbum. Além de conter sample da antiga Rich Girl de Hall & Oates e te deixa com vontade de quero mais. A música é linear e se destaca de todas as outras.

6. Saturday Night

Deve ouvir porque é a mais linda do álbum. Nessa música Natalia retrata de sua infância e conta sobre como se sentia ao conviver com o pai alcoolatra e sua mãe depressiva sofrendo violência doméstica. Triste e emocionante, a música ganhou um clipe tão forte quanto. A faixa é regada com uma batida dark e envolvente. 5 estrelas.

7. Devils Don’t Fly

Deve ouvir porque é uma balada profunda.

8. Outta Time

Deve ouvir porque é bonitinha e retrô! Alegre e fala sobre relacionamentos. Quebra um pouco esse conceito pesado do álbum. E tem lyric video!

9. Controversy

Deve ouvir porque é controversa. Boa mas não sei o que essa faixa faz nesse álbum. Pra ser mais controverso, só faltou chamar a M.I.A. para fazer um feat. Mas o batidão dela é delirante.

10. Rabbit Hole

Deve ouvir porque é do Diplo. Mentira! Mas é excelente também. Gosto bastante do refrão.

11. Watching You

Deve ouvir porque………. não deve ouvir. A não ser que você quiser dormir. Chatinha.

12. Marlboro Lights

Deve ouvir porque tem piano. Outra baladinha da Natalia e essa sim é linda e pode ouvir sem dormir. Mas devia ser a álbum do álbum. Só acho.

13. Trouble

Deve ouvir porque oh oh oh oh oh oh i’m trouble! Ótima e na medida, essa música finaliza o álbum e fica a vontade de ouvir tudo outra vez.

A recepção de Trouble foi boa e todos querem ouvir e conhecer mais sobre a garota problema, pois haja coragem para tirar lá do baú todos os traumas e histórias de sua vida para expor em músicas. Espero que Natalia colha muitos frutos, pois houve sinceridade nesse trabalho.

Bruno Mars nada ortodoxo

Por em |

Bruno Mars

Unorthodox Jukebox
Nota: 5,0

Artista: Bruno Mars

Álbum: Unorthodox Jukebox

Gênero: R&B

Desde que “conheci” Bruno Mars em um featuring na música Nothin’ On You do B.o.B, sempre busquei acompanhá-lo em cada lançamento. Amava Just The Way You Are, Grenade, Marry You, The Lazy Song e DE-TES-TA-VA Talking To The Moon, ainda mais depois que ela entrou pra trilha sonora de novela. Mas enfim, eu sempre curti o quão descontraído o som de Mars soava. Despretensioso e jovem, ele foi ganhando notoriedade e quando o seu segundo álbum saiu, deu pra perceber que não era só um gorila estampado na capa ouvindo música num “jukebox”.

A idéia do novo álbum era ser diferente, sair do comum, ser nada ortodoxo, não seguir regras e provar que um novo conceito funcionaria. Bruno Mars e seu time de profissionais, chamado The Smeezingtons trataram de criar novos rumos para o cantor investir. Nesse conceito novo, chamaram o brilhante Mark Ronson, o barulhento e egocêntrico Diplo e o hitmaker Benny Blanco (que foi um dos responsáveis pelo sucesso de Ke$ha). Unorthodox Jukebox é uma mistura bem feita de R&B com o pop tradicional. Eu ouvi todo o álbum pensando em Michael Jackson e Jackson 5, e fui sentindo que essa era a intenção de Bruno. Reviver o bom e dançante R&B e fazermos remexer o corpo a cada música. Enfim, um trabalho excelente e bem pensado.

Young Girls é bem tranquila para se começar o álbum, tem uma batida pop e bem conhecida já. Mas é uma delicia para ir entrando no clima e para depois sair gritando o refrão. Locked Out of Heaven é a música que Michael Jackson iria amar cantar (se possível, duetar ein?)… a energia dessa música contagia e foi a que mais gostei de todas quando ouvi o preview do álbum. Mark Ronson tem o toque de midas e não se fez de tímido e fez essa música uma obra de arte. Com influências de jazz, Locked já alcançou o topo de miutos charts, inclusive nas paradas brasileiras. Mas minha favorita e a que mais ouço é Gorilla; apesar de ter uma letra meio polêmica e desconfortável, eu simplesmente amei o arranjo dela. Simples e marcante.

A intro de Treasure é muito Jackson 5, não tem como negar. Sinto uma discoteca enorme cheia de luzes e as pessoas de dourado dançando e reluzindo em todo o lugar. Bom, essa seria uma das minhas idéias pro clipe, que é bem inevitável não se sentir nessa vibe. Moonshine continua na vibe disco, porém mais intrínseca e mais trabalhada no baixo e bateria. Mas o refrão é um delirio com tantos sininhos e com aquela impressão que estão te transportando pra outra dimensão. Quando começa When I Was Your Man sempre acho que a Vanessa Hudgens vai sair cantando Sneakernight, mas não, é uma balada trash emotiva, linda e perfeita. Segundo Mars, a música é visceral e conta sobre um amor que perdeu por não dar tanta atenção ou não cuidar bem. Natalie é pop pop pop com pitadas de R&B. Me ganhou pelo refrão NATALIEEEE – sua pistoleira, devolve meu dinheiro!!!

Bob Marley in the house! Show Me é aquela música reggae que estamos cansados de ouvir mas estamos sempre ouvindo por ser muito paz e amor. Achei que foi essencial para quebrar a maré Adele que estava beirando o álbum. E pra não deixar a coisa rolling in the deep, Diplo produziu Money Make Her Smile, que segundo as recomendações de Bruno, era pra ser aquela música pra todo mundo dançar e não ligar com mais nada. E é claro que essa música também DEVIA ser do Michael Jackson. A vibe que trouxeram para essa música é a cara do rei do pop… inclusive os vocais e o break no meio da música, onde com certeza MJ iria fazer uma coreografia fodástica. Sei que o foco não é falar de Michael, mas está inevitável não lembrar da maior lenda (e meu maior ídolo) de todos. Bom, pra finalizar uma baladinha a la 60s para se dançar coladinho no meio da pista com aquele broto que você paquerou a noite toda… If I Knew é um revival total, todos se sentindo em Grease kkk

No total Bruno Mars buscou novos horizontes e tentou um som diferente. Pegou o supra sumo da música contemporânea e fez um suco delicioso e refrescante com muitas referências. Adorei tudo, do começo ao fim… e não consegui ouvir nada que soasse ruim ou chato. A batida retrô funcionou bastante e ainda irá ir longe nesse ano. Espero que aproveite muito das outras músicas, pois mereceu as cinco estrelas…
Go Bruno Mars! Go!

Adam Lambert invadindo geral

Por em |

Adam Lambert

Trespassing
Nota: 5,0

Artista: Adam Lambert

Álbum: Trespassing

Gênero: Pop

Depois de muito ouvir o novo álbum do Adam Lambert, vim aqui dar meu pitaco sobre o mesmo. Se pudesse resumi-lo em uma só palavra, esta seria “ÉPICO”. Mas como o blog é meu e posso escrever muito mais que uma palavra, vou descreve-lo em muitas outras, como ele merece, rs.

Se Adam Lambert se tornou um ícone pop dos últimos anos, ele deve agradecer aos produtores do seu debut “For Your Entertainment” por tal feito. Não podemos deixar de lado que sua popularidade por conta do American Idol é notória, mas o bom conteúdo de um cd é bem mais importante e agrega mais fãs do que a simpatia em um reality show. O seu álbum de estréia teve tanto valor em sua carreira que foi resultado de parcerias certas que rendeu bons frutos, como a homônima “For Your Entertainment” e “If I Had You” produzidas pelo hitmaker Max Martin, “Whatya Want From Me” composta por Pink, “Fever” por Lady Gaga e a colaboração de grandes nomes como Kara DioGuardi, Sam Sparro e até Mathew Bellamy.

Por outro lado, Adam Lambert conquistou um público fiel que querem mais e mais do cantor pop. Tal fidelidade foi colocada a prova nesse novo álbum, já que todos esperaram um trabalho nos moldes do primeiro, porém com um diferencial e seguindo as tendências do mercado atual. E essa tarefa foi cumprida perfeitamente, sem nenhum tipo de reclamação ou desaprovação. O novo álbum é cheio de hits e é uma invasão mesmo, como o nome diz, Adam invade e te faz dançar até cansar e chorar com as baladinhas cheias de emoção.

O álbum segue o padrão dance muito e depois vai descansar! A energia rola solta com a batida trabalhada no baixo, que Pharell Williams criou para “Trespassing” com direito á palminhas e tudo! Já “Cuckoo”, uma das minhas preferidas (desde os primeiros previews em baixa qualidade) é uma faixa ímpar e é toda pop industrial com dubsteps bem ligeiros no bridge. “Shady” é embalada pelo riff de guitarra bem tímido, mas o refrão vem pra quebrar tudo. Amo demais a animação dessas faixas e Adam não poupa nos vocais. “Never Close Our Eyes” é envolvente e apesar de ser composição de Bruno Mars, não se parece nem um pouco com seu ritmo. O refrão é puro electro/dance, mais conhecido como farofa. Eu gosto, então nem acho ruim, muito pelo contrário.

Logo chega “Kickin’ In”, outra obra do mestre Pharell Williams, que deixa essa faixa com um ritmo bem a cara dele, cheio de arranjos com eco e instrumentos caleidoscópicos. “Naked Love” é moderada, não tende ao lado freak, e transmite uma melodia alegre e festiva enquanto a letra diz coisas românticas e ousadas. “Pop That Lock” vem para fechar o quadro das músicas dançantes, e como o nome diz, é pop! Pop electro para ser mais exato, bem na medida e para todos os gostos, rs. Excelente produção e com um refrão bem chiclete e com bridge dubstep.

“Better Than I Know Myself” inicia a segunda parte (que eu separei, rs), a balada mais profunda do álbum. Depois vem minha favorita, a introspectiva “Broken English” que é obscura e misteriosa no começo e desabrocha um refrão de arrepiar… sem contar o bridge lírico. Recomendo ouvir essa faixa nos fones de ouvido. “Underneath” é um apelo de Adam guiado por um piano, muito bonita também. “Chokehold” é uma balada que é muito rebelde e se mostra muito agressiva. Sim, é excelente e o refrão mostra que Adam domina muito bem esse álbum. Os arranjos passeiam por seu timbre. “Outlaws of Love” é a típica baladinha “acústica” que todo cantor deve fazer deixando sua voz em evidência. Nem precisa dizer o quão brilhante é, né?

Bônus: “Runnin” segue o mesmo molde de Chokehold, inclusive também tem influências industrial, e o mais interessante nessa faixa é que no refrão, a bateria reproduz uma sequência como se a pessoa estivesse correndo. “Take Back” é excelente por muitos motivos, o principal é que ela não ultrapassa o poprock e o deixa num estilo único no álbum. Mas por um lado se destoa do mesmo, talvez seja esse o motivo de ter ficado de fora da lista standart. “Nirvana” tem piano e um dub bem do atrevido querendo tomar conta da música. O refrão é bem tranquilo e clichê, mas tem sua beleza. Uma ótima faixa por sinal, mas não merece tanto destaque assim.

Adam Lambert

Já considero Trespassing um dos melhores do ano, ultrapassando o tão esperado (e frustrado) MDNA. Adam nos mantém focados nesse álbum que mostra seu talento e como consegue manter o timbre grave e ir ao agudo sem se perder ou desafinar. Claro que há retoques e correções, mas ao se ver as apresentações ao vivo, percebe-se que ele reproduz todos os falsetes perfeitamente. Nesse álbum as parcerias certas também elevaram Adam a outro nível. Um trabalho bem envolvente e que agradou todos aqueles que esperavam ansiosamente algo desse nível do senhor Lambert.

Agora só nos resta dar play novamente em Trespassing e curtir mais uma vez um dos melhores álbuns do ano.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...