Tv

Não me conte mentirinhas, dói demaaais

Por em |

Pois é, quem se lembra do trecho dessa música da época em que éramos todos crianças e assistiamos Tv Cruj! e depois Chiquititas? Então, se recuperem desse flashback #fail, porque eu só quis fazer um título com piadinha interna mesmo. Bom, hoje vou falar de uma série nova que pintou na área e conquistou todos meus amigos que me recomendaram tanto que foi amor a primeira vista. -nem tanto

Pretty Little Liars

Bom, Pretty Little Liars faz a linha de séries que misturam suspense com drama adolescente, bem Gossip Girl sabe? Veja a sinopse do Wikipedia

Rosewood é uma pequena perfeita cidade. Então, tranqüila e intocada, você nunca adivinharia que detém tantos segredos. Alguns dos piores pertencem á meninas mais bonitas da cidade – Aria, Spencer, Hanna e Emily, quatro distantes amigas cujos segredos mais escuros estão prestes a desvendar.

Um ano atrás, Alison, a “abelha rainha” de seu grupo, desaparece e as meninas juram que nunca iriam contar o que realmente aconteceu naquela noite. Elas acreditaram que seus segredos as uniram, mais justamente o contrário acontece. Então, novamente, quem pode dizer qual é a verdade em Rosewood. Parece que todos na cidade estão mentindo sobre algo.

Agora, com o mistério em torno do desaparecimento de Alison, as meninas começam a receber – ameaçadoras – mensagens de “A”, contendo coisas que apenas Alison sabia. Mas não poderia ser Alison. Poderia? Quem quer que seja, ele/ela parecem saber todos os segredos das meninas, e parece estar observando cada movimento. As meninas são amigas novamente, mas elas vão estar lá uma para a outra se os seus segredos vêm à tona?

A série também foi inspirada em livros e tem um elenco legal e é bem produzida. Tem uma trilha sonora excêntrica e de ótima qualidade. Eu tô adorando conhecer novas musicas por lá.
E eu recomendo que todo mundo assista antes que Glee volte.

E ó, a série não foi lançada no Brasil. Ainda. Então vale um download. ^^

Adoro “Ana Raio e Zé Trovão”

Por em |

N

ão é de hoje que eu sou noveleiro de carteirinha. Mas as produções de hoje em dia estão deixando a desejar. Só vê morte, sexo, mutante ou gente estrangeira que mora na Índia e fala português melhor que eu. Enfim, por isso estou dando muito valor as produções antigas que a Rede Manchete fazia, e ultimamente estão sendo reprisadas pelo SBT.

Pra quem é novo e não sabe, a Rede Manchete era uma emissora de tv que tinha padrões comuns porém uma produção mais variada e menos política, totalmente o oposto da Rede Globo. A Manchete era famosa pelas suas telenovelas irreverentes e apelativas, e pela sua programação voltada ao público infantil, assim revelando Xuxa e Angélica, e abrindo portas para os animes e desenhos japoneses. Lembro que foi um choque quando a emissora comandada por Adolpho Bloch foi tirada do ar, por causa de má administração e assim causando uma crise incontrolável. Uma pena, mas a emissora foi vendida e hoje em dia é a RedeTv!

Enfim, voltando ao assunto, eu gostava muito da Manchete e tenho boas lembranças dessa emissora que fez parte da minha infância. Naquela época eu não ligava muito para novelas, mas lembro que minha mãe assistia Pantanal, que já reprisou no SBT e eu assisti, junto a Xica da Silva e Dona Beija.

Eis que o Silvio Santos não é bobo, e deu um jeito de comprar outro sucesso da extinta Tv Manchete: A História de Ana Raio e Zé Trovão. O pessoal que trabalha no SBT disse que essas novelas chegam todas em fita de videocassete e que algumas vem até emboloradas. Eles tem que digitalizar tudo e editar frame a frame pra passar em resolução HD. Segundo os advogados da Bloch, existem mais arquivos da Manchete no antigo prédio da estação, e que só serão vendidas em lote ou com a compra do imóvel.

A novela “Ana Raio e Zé Trovão” é de 1990 e foi escrita por Marcos Caruso e Rita Buzzar com a colaboração de Jandira Martini. Mas a ideia mesmo foi do Jayme Monjardim (que também a dirigiu) – o filho da polêmica Maysa. A história se passa no mundo dos rodeios e tem diversas tramas, entre elas a que move a novela sertaneja: o amor de Ana Raio e Zé Trovão, ambos peões de uma mesma comitiva. Para ler a sinopse completa, clique aqui.

Eu não sou peão, e nem curto rodeios tanto assim, mas é que eu adoro ver essa novela pela simplicidade da história sabe? Sem contar as belas paisagens que passam de um Brasil que não temos mais, sem contar que já se passaram duas décadas. Só nos resta admirar uma obra que nos traz boas lembranças, pelo menos pra mim, que não sou museu mas adoro antiguidades. Assista ao comercial feito pelo Sbt para divulgar a reprise do folhetim:


Eu tentei procurar um vídeo da chamada original, mas não tem no Youtube.

E aí? Você se lembra da Rede Manchete? Assiste a novela? Comenta aí… :)

Trabalho noturno

Por em |

Calma gente! Esse blog não tá fazendo hora extra mostrando o bumbum alheio, não. Tá pensando que o FP é bagunça? hahaha 😳

Enfim, a culpa dessa capa sem vergonha não é minha, e sim dos Scissor Sisters que voltaram com tudo, chocando o povão. Pra quem não sabe, o SS é uma banda de electro pop, glam rock e alternative super influente em New York, mano. Apesar de estarem sumidos desde 2006, eles voltaram com um gás total, mas que atende pelo nome de Stuart Price. Sim, o produtor de Madonna, Gwen Stefani, The Killers e recentemente de Kylie Minogue, em Aphrodite, sem contar os milhões de remixes que ele produz por aí. Com essa ajuda, o trabalho noturno das Irmãs Tesouras seria mais prazeroso, já que a banda estava com um disco prontinho e por decisão de Jake Shears, o vocalista, foi todo descartado, assim começando o projeto que vou desdenhar a partir de agora.

Eu bem que procurei um player decente para vocês acompanharem ouvindo o preview lendo a resenha, mas não há um video que tenha todas as músicas. Dessa vez vocês vão ter que fuçar por aí, ou baixar e acreditar na minha palavra. 😆

N

ight Work é a primeira faixa, e pra não nos desanimar é bem alegre e tem uma batidinha suave, a guitarra tem bastante destaque. Dá vontade de ficar cantando o refrão o dia todo. Whole New Day quebra o ritmo freak e deixa o clima bem retrô. Sabe aqueles synths de antigamente? Então, eles tomam conta dessa música, que deixa a gente vidrado. Fire With Fire chegou, aa melhor baladinha do cd. O refrão é bem macumbento e fica na cabeça. Do nada você tá cantarolando o “You said fight fire with fire, fire with fire”. Any Wich Way é a música que o SS tá cansado de fazer e só nos faz feliz. Bem eletrônica e com os agudinhos do Jake estão tomando conta até que a Ana vem fazendo um sing talk pra quebrar um pouco o estilo. Harder You Get parece música do Pet Shop Boys, mas só que com um rock soft muito exato, encaixando com o sing talk quase robótico do Shears. A minha preferida, Running Out também nos remete ao retrô e deixa um som parecido com o do Queen, porém a batida mais animada. O refrão é facil e gruda gruda também, e detalhe: essa faixa não foi produzida pelo Price. Something Like This não tem brilho algum, uma batida enjoativa e nada relevante. Skin This Cat parece muito com o Tecnonik que a Yelle produz, bem volúvel e enfim solado pela Ana M. Skin Tight é a cara do Price, outra balada que é só amor. Impossivel não adorar essa faixa, o refrão é lindo. Sex and Violence é musica de dormir… a batida é boa, mas me dá uma preguiça. Nightlife parece sair de Footloose, e tipo, imaginei Kevin Bacon a dançando. O A-Ha iria adorar performar essa música, apesar do Jake desempenhar bem o timbre certo no refrão. E pra finalizar, um presentão: Invisible Light! Essa faixa é bem misteriosa, cheia de efeitos retrô… mas se tratando de SS, essas maravilhas nunca são demais. O refrão é bem batida louca, super gostosa de sair batendo cabeça nas buatchy de NY. hahahaha Tem até uma narração no fim, á lá Thriller. Enfim, o cd tá pop, tá retrô. Tá bom demais! De lamber os beiços. A banda não pecou em nada, as musicas estão em sintonia e não deixa o cd cansativo.

Pra quem quiser baixar, clique aqui e se jogue no download!!!!


– Voltamos e estamos atorando o perigon!

Robô domesticado

Por em |

Pra quem é fã da Disney, sabe muito bem quem é Miley Cyrus. Ou melhor, a Hannah Montana. Bom, o que importa é que a Miley está se cansando da imagem e do status que sua personagem a continua dando. Não que não seja bom, mas ela quer ser ela mesma. Alguem não domesticada, dentro dos limites… alguem padrão Disney de ser. E para expressar esse desejo, ela decidiu trabalhar mais a fundo, e gravar um álbum genuíno, chamado Can’t Be Tamed que traduzido é, “não posso ser domesticado”.

Miley se dedicou bastante ao novo trabalho, tanto que maioria das faixas foram escritas e produzidas por ela. O álbum está muito bom e existe poucos erros. Eu dei quatro estrelas pois gostei muito do cd, porém há algumas exceções que acho super válidas a fazer.

Segue abaixo, um vídeo de um audio-preview do cd novo. Dá o play e acompanhe com o review. :smile:

P

rimeiramente o cd começa bem energético, “Não viva uma mentira, essa sua vida é única”, com esse trecho Miley chega arrebentando com Liberty Walk, que é um pop parecido com aqueles que a gente ouvia algumas boybands fazerem em 1999, sabe? Mas eu adorei, o refrão é chiclete, não sai da cabeça. Who Owns My Heart é mais electropop, ótimo refrão.. super dançante. Para não sai dos trilhos, Can’t Be Tamed vem com uma batida intensa do começo ao fim, a musica-titulo não deixa a desejar. Para amenizar a energia causada nas faixas anteriores, Every Rose Has It’s Thorn cai como uma luva, pois não é uma balada envolvente com uns solinhos de guitarras. Pronto, quando você relaxou, você é obrigado a sair do transe e voltar pra animação de Two More Lonely People, que também merece destaque, apesar de ter alguns violões e violinos, não faz jus a ser chamada de country. Forgiveness and Love é uma balada que vem em péssima hora, mas a música é linda e Miley não se perde ao canta-la. Logo vem Permanent December, que é muito pop e dá vontade de sair pra rua dançando… que nem em musicais. Muito boa essa faixa, merece destaque também. Stay é outra balada, porém essa foi escrita pro Liam, o namorado da Miley. É linda a música, toda trabalhada no piano, mas achei que a voz da Miley ficou muito dramática e abafada. Depois da tristeza de Stay, vem Scars que também vem pro time de animadas do álbum. O refrão também é ótimo, bem pop rock. Take Me Along não traz nada que mereça destaque, faixa fraca. Porém logo em seguida vem Robot que é o pop-rock-dance com mais gás do álbum. Miley a canta com sentimento, a letra é bem profunda, o que a torna o super destaque. E pra fechar com chave de ouro, My Heart Beats For Love é uma balada muito boa, envolvente. Gostei muito, ótima faixa pra deixar com gostinho de quero mais.

Enfim, o álbum nada domesticado da Hannah Montana não saiu nada do normal. Teve os destaques, porém não teve nada que a gente não tivesse ouvido e, ou não conhecia. Gostei bastante das músicas e dos arranjos. Mereceu as quatro estrelinhas, o nível da cantora subiu muito desde seu ultimo trabalho, o Breakout. O link do novo álbum vai estar nos comentários, seguindo o método do Samir.


– Eu cresci agora, e sou mulher!

Season Finale: Glee

Por em |

Oi gente!

Infelizmente, semana passada foi ao ar o último episódio da primeira temporada de Glee. E eu como um bom gleek, vou dizer o que achei do episódio.

ATENÇÃO: Esse post conterá spoilers, e se você ainda não assistiu, peço que não leia. 😉

S01E22 – Journey

A cada dia que passa, o Glee Clube é ameaçado por alguma coisa. Nesse episódio, Sue Silvester anuncia a Will que será uma das juradas da Seletivas e que não vai aliviar. E como vocês sabem, se o “New Directions” não vencer, o grupo será extinto. Todos os integrantes se desesperam, porém Mr. Schue consegue virar a situação os animando com uma solução: cantar Journey. O casalzinho Finn e Rachel cantam um medley de Faithfully, Any Way You Want It e Don’t Stop Believin’. Uma apresentação bem calorosa, porém bem fraquinha… clichê!

A mãe da Quinn se separou do marido e a chama a filha de volta pra casa, e como em novela do Maneco, a bolsa da Quinn estoura. A apresentação do Vocal Adrenaline começa, e a musica é Bohemian Rhapsody do Queen, mas só o Jesse que faz o solo. Porém a dança é impecável.. muito coordenada. Enquanto a apresentação rola, Quinn está no hospital tendo seu bebê. Rachel vai encontrar sua mãe e pedir para ela ir para o Glee Clube, porém Shelby quer ter uma vida, e uma família. Agora, uma parte bem tosca que achei foi esta: Olívia Newton-John foi muito rude e ignorante, se ela é assim na vida real, eu quero ela longe de mim. Josh Groban foi legal. Olivia ainda humilhou Sue Silvester, dizendo que ela não é uma celebridade. Logo, Sue divulga o vencedor, que é claro.. o Vocal Adrenaline. Quinn e Puck decidem não ficar com Beth, e tipo, fiquei morrendo de dó.

Emma foi conversar com o Figgins sobre o fim do Glee Clube. Mas não adianta muito. Os alunos se reúnem no auditório e cantam To Sir, With Love, que caiu como uma luva nessa situação. Foi linda a apresentação, muito emocionante.. até a durona Sue chorou. Logo, a sala que o Glee ocupava foi esvaziada e Sue foi implicar com Will, mas acabou dizendo que fez o diretor Figgins dar mais um ano para o clube. Mr. Schue conta a novidade ao pessoal, e retribui a apresentação anterior cantando Somewhere Over The Rainbow no violão, bem estilo Jason Mraz. E o mais legal também, Shelby adota Beth e realiza seu sonho. FIM.

Não vejo a hora da série voltar com novas tramas, novos convidados, novas performances e tudo mais que a gente ama. 😉

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...