CSS em busca de “La Liberación”

Por em |

Das guitarras elétricas a sintetizadores frenéticos, o Cansei de Ser Sexy volta ás origens em novo álbum.

Se tem uma banda brasileira que faz muito sucesso lá fora e a gringolândia adora, essa é a Banda Calypso. Em segundo lugar é a indie Cansei de Ser Sexy, mas conhecida como CSS. O grupo comandado por Lovefoxxx, Adriano Cintra, Ana Rezende, Luiza Sá e Carolina Parra volta aos estúdios e traz um trabalho não muito diferente, porém nem muito casual.

Pra quem estava acostumado com as canções desprentensiosas e cheias de críticas, vai se assustar com o quão sério “La Liberacíon” se tornou. Com uma idéia madura e melodias mais marcantes, o CSS mostra que está sim querendo animar a todos com suas músicas.

Pra começar bem, uma voz robótica diz “Feel the beat of my heart” e Lovefoxxx solta um “I Love You“, mostrando que os sintetizadores estão ligados e com a mesma pegada de sempre. A vibe electromoderninha se desfaz quando Hits Me Like a Rock começa a tocar e alastrar a influência reggae pela música. O refrão é ótimo e se bobear gruda na cabeça. O combo que apresenta o cd continua com a excelente City Grrrl que ao contrário das anteriores, abusa da referência flamenca e faz a batida electro embalar a música toda, que pra mim é uma das melhores! “HEADS UP GIRL YOU CAN RULE THIS PLACE!!!”

Echo of Love é bem destemida e lembra demais alguma faixa do começo da carreira do CSS. A voz de Lovefoxxx está intacta e bem crua, uma canção considerada “muito boa”. Os instrumentos estão muito destacados também, ao fundo dá pra ouvir a bateria, a guitarra e até o baixo com total sintonia com o restante dos arranjos. Em You Cold Have It All é impossível não se render á delícia da batida + guitarra. A mesma energia continua em La Liberación, que toda cantada em espanhol é toda debochada e com moldes antigos também. Uma faixa que tem um refrão chiclete e sim, é inevitável não ficar cantarolando “Grita grita mami, mami mami mami grita… La la la liberación, te te te liberes“. O CSS resolveu juntar a receita dos antigos sucessos e repetir a dose, tanto que Partners in Crime soa como uma balada muito da bonitinha, mas que também não faz tanta diferença. Ruby Eyes segue o mesmo ritmo da anterior e apesar de ter um acorde muito agradável, não tem nada demais. Passa despercebida, infelizmente.

Rhythm to The Rebels soa um alternative feito em garagem e isso me agrada muito. Adoro todo som que são simples e com riffs bem desempenhados. Adoro Red Alert pelo fato de ser a faixa mais calma do álbum que tem uma pegada retrô e moderna ao mesmo tempo. Sem contar a super colaboração do duo Ratatat na mesma. A voz no refrão bem baixa e quem sabe, timida, consegue deixar a música balanceada. E pra finalizar, a cereja do bolo é a energética F*ck Everything, que parece vinda do álbum antecessor, Donkey e onde o rock indie está presente 100%. O refrão é um desabafo, em meias palavras: que se dane tudo.

Resumindo, La Liberacíon está focado nas emoções e numa possível mistura de seus experimentos: ora rock, ora electro. Adorei o álbum e acho que ficou ótima a linha que seguiu. Não ficou cansativo e muito menos chato de ouvir. Um álbum sem pretensão de agradar a todos ou com uma mensagem tediante e principios nada lógicos.

E você, é a favor ou contra á “La Liberacíon” do Cansei de Ser Sexy??

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...