Era uma vez uma Beyoncé

Por em |

Se engana quem pensa que Beyoncé não ralou para se tornar a diva que é hoje em dia. No começo de sua carreira, Queen B teve que superar os desafios de fazer seu álbum solo ser aceito pela gravadora e assim, conquistar um legado que até hoje nenhuma de suas companheiras do Destiny’s Child chegaram perto.

Com a pausa do grupo, as filhas do Destino decidiram explorarem suas carreiras solos e verem no que davam. Beyoncé se empenhou em manter as origens e trabalhar em cima do seu já conhecido R&B, enquanto suas amigas tentaram novos estilos. Com a ajuda de grandes nomes, seu trabalho solo ficou rico em boas produções e trouxe para “aquela época” uma sonoridade mais sexy e provocante.

O single Crazy In Love foi esmagador. Até hoje ficamos com vontade de sair dançando quando ouvimos o início da música com o trompete (?) e o Jay-Z anunciando Beyoncé. Esse single tem cara de hit e ainda tem um refrão que gruda e o mínimo que se deve fazer é cantar e dançar.

O álbum em si é dividido em músicas animadas e com um apelo sexy, como o lead single Crazy In Love, Baby Boy e Naughty Girl. O restante das músicas na sua maioria são baladas que soam uma mistura de Destiny’s Child com Mariah Carey. O unico problema foi terem “separado” o álbum, pois você se anima com as músicas, mas depois cai no tédio com as baladas. Deveriam o ter balanceado um pouco melhor. No mais o debut é maravilhoso e com ótimos singles.

Beyoncé – Dangerously In Love (2003)
1. Crazy In Love ( Featuring Jay-Z)
2. Naughty Girl
3. Baby Boy (Featuring Sean Paul)
4. Hip Hop Star
5. Be With You
6. Me, Myself And I
7. Yes
8. Signs
9. Speechless
10. That´s How You Like It
11. The Closer I Get To You
12. Dangerously In Love 2
13. Beyoncé Interlude
14. Gift From Virgo
15. Work It Out

Agradecimento: Renan pela foto em SUPER HQ, rs. Obrigado amigo!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...