resenha

Review: Britney Spears – Britney Jean

Por em |

Britney prometeu um álbum diferente. Bom, pelo menos ela cumpriu a promessa, porém não no sentido bom.

Britney Jean
Nota: 3,0

    Artista: Britney Spears

    Álbum: Britney Jean

    Gênero: Pop

Sei que demorei para postar um review desse álbum que foi um fiasco para 2013, e nem a própria Britney está muito preocupada. Enquanto Katy Perry e Lady Gaga brigavam pelos holofotes, Britney foi de fininho e lançou um álbum na medida, onde não acrescentou nada a sua carreira. As melhores músicas não são de fato as melhores, pois falta muita Britney nelas. Em Britney Jean, o conceito era biográfico e ter composições da própria Britney, mas tudo soou cansativo e sem graça. Se o Femme Fatale não havia me trazido bons frutos, Jean me deixou tudo com um gosto amargo.

Quando saiu Work Bitch, fiquei muito animado com a musicalidade. Senti que Britney havia evoluído e escolhido um time campeão. A produção era impecável, mas cadê a Britney radiofônica? Aquela Britney que a gente ouvia muito em qualquer lugar? Essas músicas só servem para dançar na boate. E olhe lá! Bom, eu adorei o álbum, vou admitir, mas passa longe do que Toxic e Gimme More representam em minha vida.

Adoro que o álbum começa com ALIEN, que foi a única música que Will.I.Am permitiu que o sábio William Orbit colocasse a mão. E essa música tem essência Britney. Tem aquela pegada dos anos 2000. E o refrão é fácil de decorar e cheio de chiclete! “Naranon… naranon… naranon”

WORK B*TCH é a faixa com mais personalidade do BJ. A moça chega cheia de marra e achando que pode esculachar todo mundo que acha que foi fácil andar com limousine e usar coisas caras. Mas é só também. A música vai e volta diversas vezes.

PERFUME também merece destaque. Britney está romântica e embalando essa canção linda escrita por <3 SIA <3 e ela arrasa. É uma das minhas favoritas pois a música não tem aquela parafernália barulhenta do Will.I.Am e a gente ouve bem a voz da Brit.


Será pecado preferir o lyric video do que isso?

IT SHOULD BE EASY é legal. Mas parece que veio lá do cd do Will.I.Am, porque não tem refrão e a coitada da Britney quase não aparece e só canta com essa voz robótica.

TIK TIK BOOM é ótima e me lembra muito a era Blackout. E esse refrãozinho também merece o troféu chichete. A participação do T.I. é legalzinha, mas foi mesmo necessária?

BODY ACHE tem autotune em doses cavalares e isso só a deixa melhor. Essa música não tem quase nada de letra, mas só de ser uma produção de David Guetta eu já a considero a melhor das farofas desse álbum.

TIL IT’S GONE começa tranquila mas depois de meio minuto corrido, a faixa começa a mostrar para o que veio. Destaque para o “GOOOONE” do refrão. E só. Próxima!

PASSENGER ou Legendary Lovers? O incio me lembra música árabe e tem uma vibe que eu gosto demais. Tem essa coisa de uma batida constante. Will.I.Am não farofou e a deixou a voz da Britney muito marcante, porém sem muito poder. Bem íntima. Outra faixa que é minha favorita pelo conceito em não ser nada a mais que um passageiro.

CHILLIN’ WITH YOU é a típica faixa que não faz diferença nenhuma no álbum e com um feat insignificante. Claro que adoro Jamie Lynn mas porque essa música desconexa está no Britney Jean? Dá a impressão que é apenas para promover a irmã. Mas parece que essa missão não deu certo.

DON’T CRY é a típica música que a gente detesta o início mas se rende ao refrão. Tem uma batida bem suave e eu até parabenizava o Will.I.Am, mas aí essa música volta para aquele começo irritante e eu mudo de música.

As bonus track não valem tanto a pena assim. Dou valor em BRIGHTEST MORNING STAR porque é outra preciosidade da <3 SIA <3 e eu amo tudo que essa mulher compõe. E vamos combinar, essa música é demais. Eu trocava ela por Don't Cry sossegado. Tem uma batidinha pop no refrão que me deixa saudosista - ainda mais porque é uma produção do <3 DR. LUKE <3. HOLD ON TIGHT é chatinha. Próxima!

NOW THAT I FOUND YOU é muito boa! Muito mesmo… Começa inocente e vai estourando com uma refrão que parece música do Avicii. Eu a colocaria em alguma trilha sonora de novela. Amo o finalzinho country!

PERFUME (THE DREAMING MIX) é aquela versão alternativa que ninguém ouve.

~ FIM! Hora de botar o In The Zone para tocar… rs

C O N C L U I N D O

Para quem estava acostumada a reinar nas rádios e em todo clube onde haja pessoas dançando, Britney Spears parece estar cansada e com muita indisposição para fazer sua carreira ser o estouro que era. Claro que houve muitas pedras no caminho da nossa princesa do pop, mas ela devia se lembrar da legião de fãs que ela tem ao redor do mundo. Gravar um álbum mixuruca e ficar a tarde toda dormindo não faz com que a gente fique feliz. Nem um pouco. Com uma baixa divulgação, Britney Jean se tornou um dos álbuns mais flopados de 2013 (dizem que não superou nem as vendas do Bionic). Para quem intimidava em Work Bitch, Britney não trabalhou nada nessa era.

Mas irei relevar algumas coisas, porque Britney está preparando uma nova turnê com seus hits passados, e duvido muito que ela esteja preocupada em divulgar as novas faixas. Mas bom, pelo buzz que estão fazendo, a turnê promete bons comentários a loira.

Músicas secas e sem apelo nenhum. Não consigo nem imaginar um clipe legal para essas músicas. Eu repito, gostei bastante do resultado, mas não o elejo o melhor de 2013. A produção ficou empenhada em fazer tudo que Britney quisesse, tanto que seus hitmakers foram tirados de campo para que Miss Spears pudesse se sentir mais a vontade. O resultado foi bom, mas não senti o fogo que ela causa quando ouço suas músicas antigas.

Britney Jean poderia ter sido a bomba de 2013. Uma pena que essa bomba veio sem pavio!

ARTPOP por Pedro

Por em |

ARTPOP

“Lady Gaga está acabada!”
“Lady Gaga não conseguirá o topo dos charts!”
“Lady Gaga não é mais criativa!”
“Lady Gaga não é inovadora. Apenas copia!”
“Lady Gaga não será mais o fenômeno musical!”
“Lady Gaga está acabada.”

Isso é o que a crítica acha da Lady Gaga e de seu ARTPOP. E você acha que eu ligo?
Eu sou fascinado em tudo que ela faz e seria um review muito chato de fazer, porque iria ser só elogios.
Então só estou postando para deixar registrado meu amor por esse álbum. Esse review será rápido e direto, sem todas as críticas técnicas e apenas as importantes. Ao fim deixarei algumas ressalvas.

1. AURA
“Enigma popstar is fun. She wear burqa for fashion”
A versão finalizada não ficou tão diferente da demo que vazou no meio do ano. A batida pop industrial com influências latinas/orientais são o ápice da música.

2. VENUS
“Rocket number 9 take off to the planet Venus”
Ouço Venus e já me imagino no espaço e toda aquela vibe galática futuristica. Uma viagem, literalmente.
Refrão incrível e amei o brigde onde Gaga chama todos os planetas como se fosse uma chamada ou uma apresentação. Detalhe: é uma 2ª Faixa!

3. G.U.Y.
“I wanna be that guy… G.U.Y.”
Desde o preview eu já fiquei <3 in love <3 com essa música. Esse dub é enigmático e nos transporta para o Born This Way, sei lá. Acho essa música super dark.

4. SEXXX DREAMS
“When I lay in bed I touch myself and I thinking in you “
A favorita de 11 dentre 10 pessoas. Desde quando foi apresentada no iTunes Festival essa música caiu no gosto popular e foi a mais esperada por nós. E o que dizer de Sexxx Dreams? Apenas maravilhosa. Destaque para a parte onde entra um baixo bem tropeçado com a Gaga contando “I cant believe i’m telling you this, but i have a couple of drinks and OMG.

5. JEWELS N’ DRUGS
“com T.I., Too Short e Twista”
Próxima (porque não sou obrigado… até hoje não ouvi essa inteira. que permuta foi essa, Gaga?)

6. MANICURE
“Ma-Ma-Ma-Manicure”
Rockzinha delícia. Tem a fórmula gaga mas beira o marasmo. Não venho muita evolução e nem potencial pra hit. Linha reta, apenas.

7. DO WHAT U WANT (com R. Kelly)
“Do what u want with my booodyyy?”
Amo essa intro psicodélica. Amo Gaga arrasando no estilo Mariah de ser. Amo o feat. do R. Kelly. Amo que essa faixa não era single e acabou virando. Amo.

8. ARTPOP
“Free my mind… ARTPOP… You make my heart stop”
Essa sim é eletrônica trabalhada no cosmo digital da rede de computadores. Mas cadê o batidão?

9. SWINE
“You just a pig inside an human body”
Amo desde a demo vazada. Não mudou quase nada e isso é um sinal positivo. Tem uma intro e trechos eletrônicos, em seguida vem versos tranquilos e depois alguns gritos frenéticos SWIIINE. Como não amar?

10. DONATELLA
“I am so fab check it out, I’m blonde, I’m skinny, I’m rich, and I’m a little bit of a bitch”
A MELHOR MÚSICA. A MÚSICA QUE DEFINE ARTPOP. Ouço e lembro tanto o tecktonik e não tem como não ouvir e só pensar naquela cara toda botocada da Donatella Versace né? E pra mim não muda nada, pois é excelente a cada vez que ouço. Essa permuta sim valeu a pena!E o melhor: essa música não tem apelo nenhum… Não tem cara de single, mas quem sabe? DONATELLA!!

11. FASHION!
“Looking good and feeling fine”
A SEGUNDA MELHOR MÚSICA. A SEGUNDA MÚSICA QUE DEFINE ARTPOP
Quando Gaga disse que Will.I.Am e David Guetta estavam responsáveis pela produção de Fashion! eu pensei: “vai dar merda”! E não é que paguei a língua? A música é fodastica e tem uma vibe disco retrô que eu amo! E nem me parece com as farofas que Will.I.Am está sempre envolvido. E nem me incomodei com a voz dele em alguns momentos e no fim da música.

12. MARY JANE HOLLAND
“Introducing, ladies and gentleman, Mary Jane Holland!”
Doida! Madeon brilhantemente fez de uma música falando de drogas se tornar uma coisa politicamente audível. E vamos combinar, é demais. E claro, sem sentido algum.

13. DOPE
“I’ll keep searching for an answer cause I need you more than dope”
Deu pra perceber que a Gaga tentou fazer algo do estilo You&I mas não deu certo. Eu preciso confessar, a música no iTunes Festival pareceu melhor que a finalizada. Desculpa mundo, mas não estou engolindo Dope. rs

14. GYPSY
“I don’t wanna be alone forever but I can be… tonight”
Linda.. Perfeita! Mirou no Elton John e se deu bem. Gypsy é a faixa mais linda de todo o ARTPOP e tô amando muito esse arranjo. E sinto que Gaga devia ter lançado ela como single ao invés de Dope. TONIIIIIIIIIIGHT!

15. APPLAUSE
“Pop culture was in art, now art’s in pop culture in me”
Por favor! Vendo o potencial de todas as outras, Applause chega a soar como a mais fraca e despreparada. Mas eu a ouvi tanto que estou cansado, saturado e enjoado de todo esse arranjo. A.R.T.P.O.P.

Pra finalizar

A Lady Gaga polêmica e cheia de influências está sumindo. Sem pretensão de chocar e causar desconforto nos padrões, Gaga vem de cara limpa apenas usando a arte como referência. E todo mundo especulou muito sobre o ARTPOP e ela se resume a dizer que pode ser qualquer coisa. Que cada um tire suas conclusões.

Para mim o álbum está espetacular, porém não acho que ele superou o Born This Way e não tem nenhuma Bad Romance. Mas tem Gypsy que vale pelo álbum todo.

Porque ser cult está na moda!

Review: Cher – Closer To The Truth

Por em |

Após 12 anos sem álbum novo, Cher volta com novos e velhos ritmos. Mas nada que seja novo, literalmente.

Closer To The Truth
Nota: 3,0

    Artista: Cher

    Álbum: Closer To The Truth

    Gênero: Dance

Dias, anos, décadas, séculos se passaram e o novo cd de Cher nunca saia da gaveta. Com o tempo passando, seu material “novo” ficava cada vez mais ultrapassado e o medo do flop a afrontava. Mas parece que 2013 é o ano da sorte para ela, pois Holy Cher resolveu enfrentar o pop da atualidade e se jogar nas tendências e quebrar o hiatus de 12 anos.

Closer To The Truth foi divulgado e veio com uma capa sensual em que Cherzona está toda loira fatal mostrando pro mundo que tá enxuta e pronta para colocar as poderosas no bolso. Antes de ser lançado, a gravadora liberou o streaming e a gente correu para ouvir. Para variar a voz continua a mesma, mas a qualidade das músicas seguiu a linha mainstream com a essência dance que já tocou muito nas vitrolas de seus fãs. (brincadeira).

O álbum é ótimo, cheio de músicas dance e no estilo que estamos acostumados e que nos faz querer dançar. Baladinhas para se ouvir em dias de chuva também foram incluídas e para a produção das músicas, Cher foi esperta e chamou novos e antigos parceiros, até porque não se mexe em time que está ganhando.

Bom, não crie tantas expectativas em relação ao frescor das músicas; “Closer” não chega a ser o álbum da geração porém também não beira o marasmo de tendências. É como se pegasse o útlimo álbum dela e remixasse com produtores atuais. Claro que dentre tanto clichê, há músicas que merecem atenção e um repeat eterno. Alem da excelente Woman’s World, que tem composição assinada por P!nk e Timbaland, listei abaixo as faixas que mais gostei e despertou em mim uma sensação tão boa que corri para escrever sobre elas.

Take It Like A Man:
Não soa novo, porém tem tanto autotune que eu já amo! Lembra Believe e ainda tem um feat. quase inperceptivel de Jake Shears no refrão e alguns corinhos. Sem contar que é uma 2ª Faixa!

Dressed To Kill:
Essa faixa é pop dance do jeito que gosto. Com intro trabalhada no retro disco, com middle8 carregado e tem um refrão chiclete e autotune, claro. Cher está vestida para matar, e vai matar todas as outras faixas, porque eu só quero ouvir ela!

Red:
”All I see is red now”. Maravilhosa, essa faixa tem uma batida muito boa. Com refrãozinho jogativo e que dá pra fazer passinhos até. Parece aquelas produções do RedOne.

I Walk Alone:
Country Cher! Foi a primeira coisa que me veio a cabeça. Com um banjo afinado, uma batidinha vem chegando e toma conta com um refrão pop dance! Essa música está na medida.. se mexesse em alguma coisa, piorava. E pra melhorar essa música foi composta pela P!nk. OMG!

I Don’t Have to Sleep to Dream:
Dance dance dance! Composta por nossa amada Bonnie McKee e produzida por Timbaland. Uma delícia de música com uma batida pop e que com certeza a versão original era mais lenta. Não sei porque essa faixa ficou de fora do tracklist standard.

Quem curte baladas, pode ouvir a partir de Sirens pois não se decepcionará. Destaque para I Hope You Find It.
Ouçam o streaming liberado pela gravadora aqui:

Para ser sincero eu não estava esperando esse comeback, mas desde que foi lançado Woman’s World eu sabia que Cher ia voltar atualizada (assim como Madonna faz todo ano) porém quando saiu os previews das músicas, fiquei bem animado. Todas são ótimas mas são tão iguais que enjooa. As vezes tenho a impressão que estou ouvindo apenas pelo arranjo e a produção que foi bem feita, mas pra mim nem importa que seja a CHER. Mas é isso aí, vamos ver qual será o próximo single e torcer para que alguma das que gostei ganhe um clipe bacaninha.

Review: Natalia Kills – Trouble

Por em |

De perfeccionista á garota problema, Natalia Kills
mostra seu amadurecimento em novo álbum.

Trouble
Nota: 5,0

    Artista: Natalia Kills

    Álbum: Trouble

    Gênero: Pop

Natalia Kills acabou de lançar seu novo álbum, Trouble, que ao contrário do antecessor, o álbum segue uma linha biográfica, despretensiosa, dramática, pesada e interessante. Toda vez que saia trecho de música, teaser de vídeo e tudo mais sobre Natalia, eu ignorava e pensava que não ia vingar. O passado flop dela irá sempre nos atormentar, pois muito sabemos que ela lutou pra conquistar seu lugar ao sol. Perfeccionist é um álbum que ouvi muito, muito mesmo; pois amava essa essência pop dark que dona Kills trazia, e amava mais por ser ousada e tentar a todo custo ser referência. Mas apesar de vários empurraõzinhos, ela chegou lá! Hoje, um pouco mais estabilizada e com outro conceito, Natalia Kills está apostando todas as suas fichas no sucesso de Trouble, e se depender de nós, pode trazer um disco de ouro pra garota!

Em Trouble é dificil escolher uma faixa para o representar, tal escolha teria sido dificil para a própria Natalia, pois cada uma delas significa um estágio de sua vida conturbada, inclusive a infância em que vivia com sua família problemática que para os outros sempre foram “a família perfeita. Quanto mais ouço, mais me surpreendo com a qualidade e novidade que cada faixa traz. Impossível eleger a favorita. Como vi que vários blogs já comentaram sobre o álbum, vou fazer um review diferente, até porque não quero que ninguem deixe de ouvir essa obra prima. Todas as faixas foram escritas por Natalia Kills com produção de Jeff Bhasker.

1. Television

Deve ouvir porque essa é a história da Natalia Kills. Apesar de ter uma intro meio dramática, a partir do minuto 1:30 a música começa e aí sim podemos desfrutar de Television, uma faixa bem nos moldes de Natalia e que nos embala a um electro rock disfarçado, pois a música com letras pesadas leva a pessoa não prestar atenção no quao triste a realidade de sua família, assim como na vida real estamos sempre mascarando a verdade. Boa sacada, Kills!! :)

2. Problem

Deve ouvir porque é electro dark e tem um refrão frenético. Ah, e porque também tem um clipe legalzinho e polêmico.

3. Stop Me

Deve ouvir porque tem uma letra bem forte, mas a musicalidade é fraca. E não é nada demais. Não sei se deve ou não ouvi-la, rs.

4. Boys Don’t Cry

Deve ouvir porque é hit e lembrem: meninos não choram! A faixa lembra Blondie por ter uma pegada rock dos anos 80s. Excelente!

5. Daddy’s Girl

Deve ouvir porque é a melhor do álbum. Além de conter sample da antiga Rich Girl de Hall & Oates e te deixa com vontade de quero mais. A música é linear e se destaca de todas as outras.

6. Saturday Night

Deve ouvir porque é a mais linda do álbum. Nessa música Natalia retrata de sua infância e conta sobre como se sentia ao conviver com o pai alcoolatra e sua mãe depressiva sofrendo violência doméstica. Triste e emocionante, a música ganhou um clipe tão forte quanto. A faixa é regada com uma batida dark e envolvente. 5 estrelas.

7. Devils Don’t Fly

Deve ouvir porque é uma balada profunda.

8. Outta Time

Deve ouvir porque é bonitinha e retrô! Alegre e fala sobre relacionamentos. Quebra um pouco esse conceito pesado do álbum. E tem lyric video!

9. Controversy

Deve ouvir porque é controversa. Boa mas não sei o que essa faixa faz nesse álbum. Pra ser mais controverso, só faltou chamar a M.I.A. para fazer um feat. Mas o batidão dela é delirante.

10. Rabbit Hole

Deve ouvir porque é do Diplo. Mentira! Mas é excelente também. Gosto bastante do refrão.

11. Watching You

Deve ouvir porque………. não deve ouvir. A não ser que você quiser dormir. Chatinha.

12. Marlboro Lights

Deve ouvir porque tem piano. Outra baladinha da Natalia e essa sim é linda e pode ouvir sem dormir. Mas devia ser a álbum do álbum. Só acho.

13. Trouble

Deve ouvir porque oh oh oh oh oh oh i’m trouble! Ótima e na medida, essa música finaliza o álbum e fica a vontade de ouvir tudo outra vez.

A recepção de Trouble foi boa e todos querem ouvir e conhecer mais sobre a garota problema, pois haja coragem para tirar lá do baú todos os traumas e histórias de sua vida para expor em músicas. Espero que Natalia colha muitos frutos, pois houve sinceridade nesse trabalho.

Músicas para fazer meninos chorarem

Por em |

Diana Vickers

Da atualidade, Diana Vickers é a cantora britânica que mais gosto. Desde que a conheci em meados de 2010 não larguei mais. O pop doce e meigo de Vickers me conquistou de tal maneira que não consigo contar quantas vezes ouvi seu álbum de estréia, Songs from the Tainted Cherry Tree e todos as músicas vazadas desde então.

Para vocês entenderem, Diana participou do X Factor, e apesar da popularidade não venceu a temporada, mas se saiu bem, pois assinou contrato com a RCA e lançou seu álbum. Porém, ela se sentiu bastante pressionada e quebrou o contrato com sua gravadora pois dizia gerar conflito de idéias. Independente, ela foi contratada por uma gravadora menor, mas que deu seu devido valor e total controle das músicas. Com tudo nos conforme, Diana gravou e estará lançando daqui uns dias seu segundo álbum, Music To Make Boys Cry, que também é o nome da música que quero que vocês ouçam hoje!

Music To Make Boys Cry não é tão nova para os fãs, até porque a própria Diana já havia liberado para audição em 2011 e eu cheguei a postar sobre ela no dia, mas só “agora” que ela vai ser realmente lançada como single e já conta com um vídeo fofo. Vejam:

Diana Vickers é assim! Toda menininha, fofa, serelepe e docinha.. não tem como não se apaixonar, né? A música é uma graçinha e quando a coloco para tocar, fica no repeat por horas. Impossivel enjooar. Caso não a conheçam ainda, fica a dica! Em breve o álbum será lançado e iremos postar aqui.

O primeiro single do álbum foi Cinderella, que também segue a linha pop mas porém com uma batida mais retro. Tem um refrão grudento e impossível ficar parado ouvindo. Ótima para quem ama britpop.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...