uk

No iPod: Cher Lloyd – Swagger Jagger

Por em |

Apesar de não ter vencido a última temporada do programa X Factor, a britânica Cher Lloyd mostrou muita atitude e talento com seus 17 anos. Fez tanto barulho que fechou contrato com Will.I.Am na mesma semana que saiu do programa.

Cher explorou muito hip hop e r&b no X Factor e virou a sensação do momento por lá. Mas pro seu debut, “ela” decidiu pegar um liquidificador, jogar um pouco de cada estilo e misturar. O resultado foi uma mistureba pop eletro, que não tem, NADA da essência que Cher Lloyd apresentava. Mas por um lado a música é boa demais, chiclete e gruda MESMO em sua cabeça, e faz você ficar cantarolando um dia inteiro.

Na musica, ela reclama sobre como as pessoas se preocupam com ela, que os haters vão sempre ser haters e aquele bla bla bla de sempre. Só acho muito cedo ela reclamar. hahaha

O clipe tem um Q de Restart meets La Roux, tem alguns takes com Cher parecendo mais com Rebecca Black ou Lea Michelle (Glee), tem coreografia com os amigos, tem party fun fun fun, e um visual meio retrô. Resumindo: uma bagunça que nem a própria música, mas é um trash cool. Eu pelo menos estou esperando o álbum, que será lançado em setembro.

Vale aguardar. Cher vai conquistar os charts rapidinho! (yn)

Nicola Roberts tá só no batidão

Por em |

Assim que o Girls Aloud (um dos grupos femininos de maior sucesso na Europa) resolveu dar um break, cada integrante do grupo resolveu seguir carreira solo para não ficarem paradas. Primeiro foi Cheryl Cole, que se aliou ao Will.I.Am e produziram um ótimo cd. Depois foi Nadine Coyle que resolveu lançar um disco 100% produzido por ela mesma. O resultado também foi maravilhoso, porém vendeu pouco por causa da divulgação #fail. Kimberley Walsh decidiu investir na apresentação de programas e em uma colaboração joinha com Aggro Santos. Sarah Harding flopou, preferiu fazer diferente e ficar na sua piscina… tomando os seus bons drink.

E enfim ela, Nicola Roberts fez bonito e investiu na carreira de empresária e tomou conta da sua linha de maquiagem para pessoas pálidas. Dai deu aloka nela e agora ela vai lançar um cd também. O álbum está sendo produzido pelos mesmos produtores de Beyoncé e Sophie Ellis-Bextor.

Recem divulgado na internet, seu single de “estréia” Beat Of My Drum é muito diferente do que estavamos acostumados a ouvir no Girls Aloud, porém o resultado é excelente e tem uma batida envolvente. No começo você pode até confundir e achar que do nada Valeska Popozuda vai começar a dar o ar da graça, rs, mas não… Nicola tá intima do som e resolve se soltar e cantar como se fosse uma cheerleader descoladinha. Até brinquei no twitter e disse que essa música é irmã de Run The World da Beyoncé. Até porque ambas foram produzidas por Diplo & Switch.

Num clipe bem simples e cheio de gingado, Srta Roberts se jogou e fez bonito. Fez valer aquele ditado: menos é mais. Confira o clipe, recem lançado em seu canal no youtube:

Eu curti para caramba a música, e achei que Nicola Roberts não tinha o favoritismo no GA, mas tanto causou que até trendou no Trending Topics Mundiais no twitter. Tomara que ela faça a dominação em todo mundo, já que suas coleguinhas não fizeram isso. Espero que faça muito sucesso e que o cd venha todo diferente e com algumas baladinhas à la Girls Aloud.

Quando sair o cd, comentarei aqui… claro. Enquanto isso só resta dizer…


I’m fine, Nadine!

Nicole e seu amor assassino

Por em |

Nicole Scherzinger vem com tudo em seu primeiro álbum solo, Killer Love

Quando o grupo The Pussycat Dolls decretou seu fim, Nicole Scherzinger era a integrante mais preparada para o caminho do estrelato. Mas infelizmente tudo que Nic fazia, não emplacava. Talvez fosse a má produção por trás de suas músicas, ou a falta de empenho da gravadora. Logo a carreira estava indo por água abaixo até Red One resgatar o talento dela e reinventar a pussycat.

Com a injeção de animo, ela lançou Poison como single. Para o espanto de todos, a música foi bem aceita pela crítica especializada. É impossível não se render a batida industrial com o vozeirão da Nicole. Dai veio o clipe e a fez tudo calhar novamente!

Não satisfeita, Nicow emplacou a ótima balada Don’t Hold Your Breath que reinou durante semanas nos charts europeus. Dessa vez o clipe é muito bonito, porem simples. Veja o clipe aqui.

Dias depois, o álbum dela já estava a venda e pudemos desfrutar de um trabalho bem feito, pois o cd ficou bem sortido de ritmos, agradando gregos e troianos. Killer Love, tem como produtor principal Red One, famoso por trabalhar com Lady GaGa e tambem desflopar Jennifer Lopez, como já citei aqui.

O álbum começa com a dançante Poison, que de tão falada se tornou o carro chefe do cd. Killer Love, a faixa-titulo vem com uma guitarra e uma batida ótima, o refrão só faz a música ficar melhor ainda, essa é minha preferida desde os previews. Desde que Don’t Hold Your Breath vazou na net, eu senti que essa música seria um estouro, já que tem os moldes das baladas do Pussycat. Não foi a toa que chegou em #1 né? A música é muito linda e os arranjos certos contribuiram bastante para isso. Right There começa de um jeito que pensamos que a música seria uma baladinha leve, mas depois vem uma batidinha que entrega. You Will Be Loved acalma o álbum, e deixa aquele clima de love no ar, pois essa baladinha é bem potente. Daí Wet vem toda batidão e se entrega ao refrão chiclete também. Essa também é uma das minhas prediletas até então. Em outra sintonia chega a midtempo Say Yes que tem uma batida clubber moderninha, e o refrão é meio que entusiasmante.

Se a anterior era clubber, Club Banger Nation tem o veneno todo localizado na electro. A gravadora quer lançar essa faixa como single, eu acho super válido pois ela tem uma pegada de pista e não precisará de ser remixada. Achei Power’s Out tão linda, ainda mais por ter o featuring do Sting. E essa faixa tem uma vibe muito boa, chego até me arrepiar quando ouço a voz dela meio que sussurada em algumas partes. Dai chega Desperate, que também é muito linda, bem retrô e com a voz da Nicole super balanceada entre as notas. Everybody soa muito fatal com os arranjos no início, mas não deixa de ser uma balada pop. Heartbeat é um remix do featuring que fez com Enrique Iglesias, que por sinal é ótima e o clipe é bem sensual. Casualty me lembrou muito as baladas dos artistas europeus, principalmente por usar um piano como base. Achei muito parecida com Died In Your Eyes, da Kristinia DeBarge. AmenJena continua com o piano, porém com a voz da Nicole muito mais intimista e cheia de emoção. Uma linda balada por sinal.

Enfim, Nicole enfrentou bons bocados porém encontrou a luz finalmente. O álbum é um trabalho muito bom e já é um dos melhores do ano. A voz de Nicole está super crua e muito bem balanceada como sempre. As batidas das músicas só teve a acrescentar, inclusive as baladas que estão impecáveis. Só a arte do álbum que ficou muito fraca, e achei muito feia a tipografia que usaram. Espero que a divulgação continue em peso e assim Nicole tenha o merecido feedback. Espero que tenham gostado do review assim como eu, de o ter feito.

Amigas ou Rivais? II

Por em |

Essa seção vai discutir sobre cantoras que eram amigas mas hoje em dia são rivais na música. Pra começar bem, escolhi duas companheiras da girlband de mais sucesso atualmente no Reino Unido: Girls Aloud. HAHAHAHA

Descobertas por uma franquia do famoso programa Popstars (que no Brasil fez muito sucesso ao lançarem o fenômeno Rouge e flopado Br’Oz), Cheryl Cole e Nadine Coyle venceram a edição e formaram o Girls Aloud, com mais três integrantes Nicola Roberts, Kimberley Walsh e Sarah Harding. Cada uma tinha seu espaço, mas Nadine sempre foi a mais centrada enquanto Cheryl era a mais carismática.

O grupo liderava os charts no Reino Unido e reinava absoluto desde o fim das Spice Girls. Porém cansadas da vida “conjunta”, as garotas deram um hiato e cada uma preferiu dar inicio aos projetos solos.

Em 2009, Cheryl Cole deixou o seu projeto nas mãos de Will.I.Am e ele fez o 3 Words, álbum super R&B dance e teve um resultado interessante. Mas por falta de divulgação, o cd não fez tanto sucesso mundialmente. Apesar de ter muitas músicas excelentes, só Fight For This Love alcançou a popularidade, inclusive aqui no Brasil. Eu cheguei a comentar sobre o álbum, quem é vivo lembra. rs

Nadine Coyle preferiu aderir ao ditado “a pressa é inimiga da perfeição” e fez um álbum genuíno e totalmente egocêntrico. Sem a participação de qualquer artista, Nadine escreveu todas as faixas e ajudou na produção. Insatiable está longe do R&B da Cheryl, e apresenta o pop britânico com melodias românticas e com aquela vibe que o Girls Aloud fazia. Porém a crítica não o recebeu muito bem e o achou fraco e sem estímulo. Apesar de eu discordar totalmente.

Agora Cheryl apostou na mesma fórmula e lançou o Messy Little Raindrops que também é um ótimo álbum e impecável. Ele tem bastante participações e conta com um time de produtores bem estrelado, incluindo Will.I.Am. O cargo de jurada no X Factor está ajudando muito a reputação de Cheryl, fazendo com que seu trabalho seja bem recebido em mais partes do mundo.

Abaixo os videos das duas e um no Girls Aloud.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...